Direto ao Ponto

Arnaldo Filho

redacao@afnoticias.com.br

Contradição?

De 2017 para 2020, quem propôs reduzir número de vereadores agora luta para aumentar

Outras cidades do porte da capital do Tocantins reduziram o número de cadeiras.

Por Arnaldo Filho 523
Comentários (0)

28/07/2020 17h15 - Atualizado há 1 semana
Vereador Lúcio Campelo encabeçou as duas propostas

Contradição? O vereador que lidera a iniciativa de aumentar de 19 para 21 o número de vereadores em Palmas, já para valer nas eleições 2020, é o mesmo que, em 2017, propôs reduzir as cadeiras de 19 para 15, sob a justificativa da economicidade, proporcionalidade e razoabilidade. No entanto, aquela proposta de outrora foi retirada de pauta poucos dias depois de ter sido protocolada. 

O mentor das duas proposições, diametralmente contrárias, é Lúcio Campelo (MDB).

Pelo jeito, o parlamentar mudou de ideia, visto que, desta feita, pretende aumentar o número de vereadores, majorando – por consequência – os custos. A alegação de que o repasse mensal do duodécimo não será aumentado não se justifica, na medida em que para receber mais dois vereadores e seus respectivos assessores, a Casa Legislativa terá necessariamente que fazer ajustes. 

Outras Câmaras já reduziram cadeiras a fim de economizar recursos

Vários são os exemplos de Câmaras Municipais que reduziram o número de vereadores, entre as quais, Maringá (PR) e Itajaí (SC), que após 10 mil assinaturas populares, reduziram de 21 para 17 parlamentares. 

Num momento de pandemia, cuja economia está esfacelada, a proposta é, no mínimo, inapropriada, em que pese ter previsão constitucional. Na verdade, é legal, mas manifestamente imoral. 

Proposta enfrenta resistência dentro da própria Casa de Leis

Um dos vereadores de Palmas que já manifestou-se contrário à proposta é Tiago Andrino (PSB). Além disso, ele entende que esse aumento de cadeiras não poderia valer para as eleições 2020 em razão do chamado princípio da anterioridade [mudança deveria estar em vigor 1 ano antes da eleição], embora o TSE entenda de forma contrária. Mas a Constituição Federal é soberana.  

Ao mesmo tempo, o vereador tem dito que não é justo mudar a regra do jogo com a disputa em andamento. Andrino considera que a ‘largada’ ocorreu com o fim da janela partidária. “Ora, se durante a janela de transferências partidárias, algum pretenso candidato pensou em ir para um determinado partido, ao refletir sobre o número de vagas e o coeficiente eleitoral, acabou por recuar. Muitos optaram por ficar onde estavam, migraram para outras siglas ou, até mesmo, decidiram não se filiar ou candidatar-se. Portanto, é injusto”, pontuou o vereador. 

Casuísmo e mandato em jogo

Como já foi dito, parece muito casuísta a proposta do vereador. Se antes parecia ser cômodo reduzir de 19 para 15, a fim de sobrar mais recursos para serem distribuídos entre os gabinetes, em época de eleição e “salve-se quem puder”, é melhor diminuir o coeficiente eleitoral e sofrer com a redução das verbas parlamentares, do que ficar sem mandato.

Proposta para reduzir número de vereadores foi apresentada em 2017, no início da legislatura

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2020 AF Notícias. Todos os direitos reservados.