Direto ao Ponto

Arnaldo Filho

redacao@afnoticias.com.br

POLÊMICA

Pressão de deputados teria levado ministra da Saúde a exonerar médico tocantinense, diz jornal

Exoneração de Nésio foi divulgada com exclusividade pelo AF Notícias.

Por Eduardo Azevedo 1.344
Comentários (0)

22/02/2024 15h42 - Atualizado há 2 meses
Nésio foi exonerado por Nísia; Decisão deve sair no DOU desta quinta (22/02)

A pressão feita por deputados federais teria levado a ministra da Saúde, Nísia Trindade, a exonerar o secretário nacional de Atenção Primária à Saúde, o médico Nésio Fernandes, do Tocantins. A informação é do jornal "Estadão".

A exoneração foi antecipada com exclusividade pelo AF Notícias e deve ser publicada na edição desta quinta-feira (22/2) do Diário Oficial da União (DOU). Esta é a primeira troca feita durante o novo governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) entre os secretários nacionais da Saúde. A decisão pegou vários servidores de surpresa.

O médico Felipe Proenço de Oliveira, atual secretário-adjunto de Fernandes, deve ocupar temporariamente o comando da secretaria. Integrantes da pasta atribuem a saída a divergências com a cúpula da Saúde. O cargo ocupado por Nésio costuma receber pressão do Congresso por lidar com emendas e outros repasses direcionados a todas as prefeituras. O ministério vem sendo pressionado por líderes partidários e pelo presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), que estavam insatisfeitos com a distribuição de verbas da pasta.

Nésio sofreu pressão de deputados antes de ser exonerado

De acordo com o Estadão, a Secretaria de Atenção Básica, chefiada até então por Nésio Fernandes, era alvo de descontentamento de líderes partidários na Câmara dos Deputados. No começo deste mês, o presidente Arthur Lira formulou um requerimento de informações (RIC) destinado à ministra da Saúde questionando a pasta sobre os critérios para a distribuição de verbas para serviços de média e alta complexidade (MAC) e de pagamento de emendas parlamentares. O pedido de informações foi assinado por líderes de outros seis partidos: PDT, Republicanos, União Brasil, PSDB, Podemos e PL. É inusual que o presidente da Casa faça este tipo de questionamento.

Apesar do descontentamento dos parlamentares, o Ministério empenhou (isto é, reservou para pagamentos) o equivalente a 98% do valor total das emendas apresentadas: R$ 12,5 bilhões. A pasta também empenhou 91% do total das verbas remanescentes do Orçamento Secreto. No Ministério da Saúde, essas verbas somavam R$ 2,67 bilhões em 2023. A partir do requerimento de Lira, especialistas em Orçamento da Câmara e do Ministério da Saúde passaram a se reunir para rastrear o envio de verbas por parte da pasta.

PCdoB

Nésio Fernandes é membro do PCdoB e foi secretário de Saúde de Palmas, na gestão do ex-prefeito Carlos Amastha, e também secretário do Estado do Espírito Santo. Ele ainda foi presidente do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass).

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2024 AF. Todos os direitos reservados.