Araguaína

Advogada é condenada a 18 anos por lavagem de dinheiro, falsidade ideológica e associação para o tráfico

Por Agnaldo Araujo
Comentários (0)

17/03/2017 14h31 - Atualizado há 1 semana
A Justiça acatou as teses de acusação do Ministério Público Estadual (MPE) e condenou, nesta quinta-feira, 16, a advogada Elza da Silva Leite, de Araguaína, pelos crimes de lavagem de dinheiro, falsidade ideológica e associação para o tráfico, praticados entre os anos de 2014 e 2016. A ré foi condenada a 18 anos de prisão em regime inicialmente fechado. Por associação para o tráfico, ficou comprovado que a advogada movimentava contas bancárias de dois  detentos da Unidade de Tratamento Penal Barra da Grota, viabilizando operações de compra, venda e distribuição de entorpecentes. Segundo foi apurado, Elza da Silva realizava frequentes saques e transferências bancárias em favor de esposas e companheiras dos detentos e de outros comparsas. Já o crime da lavagem de dinheiro consistiu na venda de moeda estrangeira (dólar, euro, pesos argentinos etc) proveniente do roubo a uma casa de câmbio localizada no município de Anápolis (GO). Elza da Silva Leite negociou o dinheiro em Araguaína, trocando-o por por moeda brasileira em diversas negociações e ficando com parte do valor auferido. Um dos praticantes do roubo afirmou, em depoimento, que a advogada tinha conhecimento da origem ilícita do dinheiro. O crime da falsidade ideológica, por sua vez, consistiu na falsificação de certidões de união estável para que mulheres pudessem frequentar o presídio Barra da Grota sob a justificativa de visitarem seus companheiros, quando, na realidade, tinham por finalidade realizar programas sexuais ou ingressar com drogas na unidade prisional. Nas falsificações, a advogada utilizava o nome de sua mãe e de sua cunhada como testemunhas. Por cada documento, era cobrado valor aproximado de R$ 150,00. Chamou a atenção da direção do presídio a quantidade incomum de certidões apresentadas pela advogada em favor de um determinado número de reeducandos. A ação penal contra a advogada foi proposta pelo Promotor de Justiça Tarso Rizo Oliveira Ribeiro, com base em inquérito policial da Delegacia Especializada em Investigações Criminais (Deic). Interceptações telefônicas e depoimentos subsidiaram as investigações. A sentença com a condenação a advogada Elza da Silva Leite foi proferida pelo juiz Antônio Dantas, da 2ª Vara criminal de Araguaína. A ré encontra-se em prisão provisória há quase nove meses, desde 21 de junho de 2016. (MPE)

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Nas Redes
Nosso Whatsapp
063 9 9242-8694
Nosso Email
redacao@arnaldofilho.com.br
Copyright © 2011 - 2018 AF Notícias. Todos os direitos reservados.