DIVINÓPOLIS

Júri condena membros de facção que degolaram jovem depois de 12 horas de tortura

Crime teria sido motivado em razão de briga entre facções criminosas.

Por Ronaldo Souza 614
Comentários (0)

21/09/2021 08h51 - Atualizado há 1 mês
O crime ocorreu na cidade de Divinópolis no ano de 2019

O Tribunal do Júri da Comarca de Paraíso do Tocantins condenou quatro homens acusados dos crimes de homicídio triplamente qualificado, tortura, cárcere privado e organização criminosa. O julgamento aconteceu na última sexta-feira (17/9)

Os réus têm idades de 20, 21, 22 e 23 anos, e vão cumprir pena de reclusão em regime fechado de 28, 26 e sete anos de prisão, respectivamente.

O crime foi praticado no dia 8 de junho de 2019, na cidade de Divinópolis do Tocantins, tendo como vítima o jovem Herick Luan Pereira de Araújo Dias Ribeiro.

O delegado titular da 6ª Divisão de Combate ao Crime Organizado (6ª Deic), Eduardo de Menezes, foi quem comandou as investigações. "Logo após o crime, as equipes da 6ª DEIC deram início às investigações, desvendaram o crime e identificaram todos os envolvidos no bárbaro homicídio que chocou a pacata cidade de Divinópolis, pela crueldade com que foi praticado”, explicou.

Na época, o delegado representou à justiça pela prisão preventiva dos quatro principais suspeitos do crime. Com as prisões decretadas, no dia 11 de julho de 2019, a Polícia Civil deflagrou a operação Place de Grève e deu cumprimento aos mandados contra os três homens que são apontados como autores do crime.

Com o aprofundamento das investigações, os policiais obtiveram mais evidências que confirmaram a autoria do crime. No dia 30 de setembro de 2019, a Polícia Civil efetuou a prisão de um quarto envolvido no crime.

Assim, o inquérito foi concluído e remetido ao Poder Judiciário e ao Ministério Público, que, por sua vez, acatou o resultado das investigações e ofereceu denúncia contra todos os investigados.

Durante o julgamento da última sexta (17/9), o delegado Eduardo de Menezes foi ouvido e atuou como testemunha de acusação, reafirmando os fatos levantados durante as investigações da Polícia Civil.

Após as deliberações realizadas pela defesa e também pelo Ministério Público, os jurados se reuniram e decidiram pela condenação dos réus. Após o veredito, os homens que se encontravam presos preventivamente desde a época do crime, retornaram para a carceragem da Casa de Prisão Provisória de Paraíso, onde darão continuidade ao cumprimento de suas penas.

O crime

Conforme apontaram as investigações da Polícia Civil, por volta do meio dia de 7 de junho de 2019, os quatro homens juntamente com um adolescente menor de idade, encontram a vítima perto de sua residência em Divinópolis. O rapaz foi sequestrado e levado para a casa de um dos autores.

No imóvel, o jovem foi amordaçado, torturado e agredido por mais de 12 horas. Já na madrugada, o jovem foi levado para uma outra residência em construção, perto do cativeiro inicial. Nesse local, os acusados continuaram a tortura e, em determinado momento, degolaram a vítima, que ainda estava viva, durante o bárbaro ato.

Motivação

O crime teria sido motivado em razão de uma disputa entre facções criminosas, uma vez que o grupo era de uma facção rival da do rapaz morto.

Conforme o delegado Eduardo, a execução foi realizada a mando dos chefes da organização, uma vez que depois de render a vítima e a manter em cativeiro, os homens mantiveram contato com as lideranças da facção, as quais decretaram o veredito para que Herick Luan fosse assassinado.

"As condenações dos quatros homens significam o desfecho de um caso macabro que causou muita comoção na população da cidade e que trouxe uma sensação de insegurança na população. Desse modo, as investigações da PC-TO identificaram os autores e desvendaram o crime, para que a justiça pudesse, embasada nas provas colhidas, proceder à responsabilização de todos os envolvidos", disse o delegado.

 

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2021 AF Notícias. Todos os direitos reservados.