HC arquivado

TJTO mantém presa enfermeira acusada de mandar matar ex-marido em Araguaína

Por Redação AF
Comentários (0)

10/03/2016 13h18 - Atualizado há 1 semana
O Tribunal de Justiça de Justiça confirmou decisão do relator, desembargador Luiz Aparecido Gadotti, arquivando Habeas Corpus que pedia a liberdade para a enfermeira Marcela Moreira Leal, nesta terça-feira (8/3). Presa sob acusação de ser a mandante do assassinato do ex-marido, em 2012, a enfermeira responde a ação penal em Araguaína e tem julgamento pelo Tribunal do Júri marcado para abril. O Habeas Corpus foi impetrado por advogado que não defende a enfermeira na ação penal pedindo liberdade da acusada sob a alegação de nulidade absoluta da instrução processual em Araguaína. Para o autor do pedido, não houve interrogatório porque a acusada não foi conduzida à audiência de instrução e julgamento. No ano passado o pedido já havia sido negado, liminarmente, pela juíza em substituição Edilene Pereira de Amorim Alfaix Natario. Depois, uma decisão monocrática do desembargador Luiz Gadotti determinou o arquivamento do Habeas Corpus. Conflitos Com base em decisões do Supremo Tribunal Federal (STF), o desembargador considera que se a enfermeira e seu defensor na ação penal na 1ª Instância refutam o Habeas Corpus, há portanto "manifesto desinteresse de agir" do advogado que assina o pedido na 2ª Instância. "Logo, se há permissão de impetração de Habeas Corpus, ‘por qualquer pessoa’, advogado ou não (art. 1º, § 1º, do EOAB), a racionalidade do sistema jurídico foi o de permitir a defesa da Paciente, indistritamente ‘em qualquer instância ou tribunal’, desde que, não exista conflito de interesses entre a parte (Paciente) e aquele que pretende perfazer representação, notadamente quando técnica”, registra o desembargador. Agora confirmada por unanimidade pelos desembargadores, a decisão sobre sucessivos recursos do autor do Habeas Corpus pondera que a alegação apresentada pelo advogado “não tem a virtude de alterar a decisão monocrática” e mantém arquivado o Habeas Corpus. Acusação A enfermeira é acusada de ter contratado Rosinaldo Rodrigues da Silva, o “Rose”, mediante o pagamento de R$ 4 mil, para assassinar o ex-marido, Tone Ramos Ferreira, que era vendedor. Ele foi assassinado a tiros em abril de 2012. Denunciados em conjunto, em 20 de janeiro de 2015 o juiz Francisco Vieira Filho pronunciou os dois acusados para que fossem julgados pelo Tribunal do Júri. Rosinaldo já foi julgado em dezembro do ano passado, e condenado pelo Júri Popular.  O juiz fixou a pena em 14 anos de prisão em regime fechado e determinou que ele indenize os herdeiros da vítima em R$ 15.760,00. O réu confessou ter atirado na vítima a mando da ex-mulher da vítima em troca de R$ 4 mil. Na mesma sessão plenária do Tribunal Júri, o juiz separou a denúncia em relação à enfermeira. O advogado da ré apresentou atestado médico justificando a impossibilidade dela em comparecer àquele julgamento. Tribunal do Júri Com a decisão da Câmara ela continuará presa na Cadeia Feminina de Babaçulândia enquanto espera o julgamento pelo Tribunal do Júri, em cumprimento à sentença de pronúncia do juiz Francisco Vieira Filho, de 2015. A sessão está marcada para o dia 11 de abril, uma segunda-feira, a partir das 8 horas, na sede da Ordem dos Advogados do Brasil, subseção regional de Araguaína. (Lailton Costa) Confira o voto do relator.

Comentários (0)

Mais Notícias

Lagoa da Confusão

Morador de rua é suspeito de matar colega quatro dias depois de sair da prisão

Conforme a Polícia Civil, Lucilo Soares demonstrou total frieza ao narrar os fatos.

Região norte

Polícia Civil prende principal suspeito de matar idoso a facadas em Xambioá

O idoso foi morto no dia 21 de julho e o suspeito tinha fugido para a cidade de São Geraldo do Araguaia, no Pará.

Acidente fatal

Mulher morre em colisão entre motocicleta e carro no centro de Araguaína

O acidente ocorreu na esquina da Avenida Castelo Branco com a rua Rui Barbosa. A mulher morreu na hora.

Em Araguaína

Em vídeo, mulher desmente boato que viralizou nas redes sociais em Araguaína

Um áudio afirmava que a mulher simulava pedir esmola para dois homens armados assaltar os moradores.

Crime bárbaro

Acusado de matar homem e comer fígado assado é condenado a 12 anos em Palmas

O crime ocorreu em agosto de 2011, na Colônia de Pescadores do Setor Taquari, nas proximidades do Lago de Palmas.

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Nas Redes
Nosso Whatsapp
063 9 9242-8694
Nosso Email
redacao@arnaldofilho.com.br
Copyright © 2011 - 2018 AF Notícias. Todos os direitos reservados.