Tocantins

Tribunal de Justiça nega liminar e mantém prisão de policiais civis em Araguaína; defesa recorrerá ao STJ

Por Agnaldo Araujo
Comentários (0)

18/06/2016 09h31 - Atualizado há 1 mês
O Tribunal de Justiça do Estado do Tocantins (TJ-TO) negou liminar em Habeas Corpus impetrado pela defesa e manteve a prisão dos três policiais civis detidos em Araguaína (TO) durante operação da Delegacia Especializada em Investigações Criminais (Deic), no dia 02 de junho de 2016. O pedido foi negado nesta sexta-feira (17/06), pelo desembargador Luiz Gadotti. O mérito do HC ainda será analisado pela Corte. O advogado criminalista Wendel Oliveira, autor do HC, adiantou ao AF Notícias que recorrerá ao Superior Tribunal de Justiça (STJ), em Brasília (DF), na segunda-feira (21/06). Os policiais Ademael das Neves Conceição, Genilson da Costa Feitos e Maximileno dos Santos Silva são acusados de corrupção passiva, violação de sigilo funcional qualificada e associação ao tráfico de drogas. Na data da prisão, os promotores de justiça Benedicto de Oliveira Guedes Neto, Tarso Rizo Oliveira Ribeiro e Leonardo Olhê Blanck, que acompanharam as investigações da Polícia Civil, pediram a decretação das prisões preventivas alegando que os policiais estariam dificultando o acesso às provas e ameaçando testemunhas, inclusive outros policiais. Para o Ministério Público, também ficou comprovado a participação dos policiais em roubos de carros. Já o delegado José Anchieta, da Deic, afirmou que os policiais chegaram a dar proteção a traficantes na própria residência, além de prejudicar operações da Polícia Militar e da própria Polícia Civil, nos anos de 2010 e 2011. Após a prisão, a defesa do policial civil Ademael das Neves divulgou nota de repúdio classificando a operação como um "espetáculo circense". O advogado Wendel Oliveira também questionou o modo como a família do suspeito foi tratada por alguns dos agentes. A nota ainda ressaltou a bravura de Ademael. “Por todos os lugares que o mesmo passou sempre se mostrou apto ao serviço público e com altivez ladeou importantes investigações de crimes de imensa gravidade e repercussão local, muitas vezes com o sacrifício da própria vida”, afirmou.

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Nas Redes
Nosso Whatsapp
063 9 9242-8694
Nosso Email
redacao@arnaldofilho.com.br
Copyright © 2011 - 2018 AF Notícias. Todos os direitos reservados.