Estado

Ação cobra pagamento de adicional de insalubridade e periculosidade aos servidores

Por Agnaldo Araujo
Comentários (0)

25/07/2017 10h41 - Atualizado há 2 meses
Uma ação na justiça cobra que o Estado do Tocantins pague o adicional de insalubridade e periculosidade aos servidores públicos que desenvolvam atividades que coloquem em risco a sua saúde ou segurança. A ação foi protocolada pelo Sindicato dos Servidores Públicos no Estado do Tocantins (Sisepe). O pedido engloba apenas os sindicalizados do quadro geral; quadro técnico e de apoio administrativo da Sefaz; Naturatins; Ruraltins e Adapec em condições de trabalho perigosas ou arriscadas. O adicional de insalubridade e periculosidade é um direito reconhecido e garantido no Estatuto dos Servidores Públicos do Estado do Tocantins (art. 70, inciso III, Lei Estadual nº1.818/2007.) No entanto, estes servidores não têm recebido os adicionais. O Governo do Estado alega falta de regulamentação como justificativa para o não pagamento, mas, para o sindicato, a omissão do Estado não pode ser usada como pretexto para prejudicar seus servidores, já que é a própria administração pública que deveria fazer esta regulamentação. Ato este que poderia ser realizado por meio de decreto ou medida provisória, conforme prevê a própria Lei 1.818. “O estatuto do servidor foi publicado em 23 de agosto de 2007 e o Estado nunca regulamentou o adicional de insalubridade e periculosidade. Isso demonstra a morosidade da administração que não pode ser usada como desculpa para prejudicar o servidor", argumenta o presidente do Sisepe, Cleiton Pinheiro. ISONOMIA O Estado já regulamentou o adicional de insalubridade para os servidores da saúde por meio da Lei Estadual nº 2.670/2012, que instituiu o Plano de Cargos, Carreiras e Remuneração da categoria, nos artigos 17 a 21. Mas deixou de fazer o mesmo com os PCCR’s das categorias representadas pelo Sisepe, deixando de cumprir o princípio da isonomia. Para a entidade, os sindicalizados que realizam tarefas em condições insalubres ou perigosas, representados na referida ação, não podem mais exercer tais funções sem o recebimento da contraprestação de vida. Por este motivo o sindicato pede na ação que a lei que regulamenta o adicional de insalubridade e periculosidade da saúde seja utilizada como base legal para as categorias representadas pelo Sisepe até que o Estado apresente regulamentação específica, a fim de evitar a continuidade de prejuízos aos sindicalizados. PEDIDOS O Sisepe pede que seja concedida a tutela em caráter de urgência para que a justiça determine que o Estado proceda imediatamente com o pagamento dos adicionais, enquanto não for elaborada regulamentação para os quadros dos sindicalizados representados pelo sindicato. Para isso, deve-se utilizar como base legal a regulamentação do pagamento de insalubridade e periculosidade para os servidores da saúde. O sindicato pede ainda que seja declarada a morosidade legislativa do Estado, determinando que a administração pública proceda com a devida regulamentação do adicional de insalubridade e periculosidade por meio de secreto, medida provisória ou projeto de lei. Por último, a ação pede que a justiça determine que o Estado realize uma perícia nos locais de trabalho e atividades exercidas pelos sindicalizados representados, a fim de apurar o grau de insalubridade e periculosidade em que trabalham estes servidores. “Ainda em 2014 conseguimos com muita luta estabelecer um prazo para a regulamentação de todo o estatuto do servidor, com a publicação da Lei nº 2.871. O prazo na época seria de 180 dias para proceder à regulamentação. Portanto, já são 10 anos de morosidade do Estado em regulamentar o adicional de insalubridade destas categorias. Nossos sindicalizados não podem continuar sendo prejudicados por esta demora. Temos certeza de que a justiça não vai negar este direito aos servidores que arriscam sua saúde e segurança para prestar um serviço ao Tocantins", concluiu Cleiton Pinheiro.

Comentários (0)

Mais Notícias

Perigo

Crianças são arrastadas por enxurrada enquanto banhavam em córrego de Palmas

Os garotos tomavam banho no córrego quando foram surpreendidos pela força da água.

Engavetamento

Ônibus perde freios e provoca engavetamento na principal avenida de Araguaína

O engavetamento envolveu um ônibus, um veículo de passeio e um caminhão de pequeno porte.

Ipueiras (TO)

Ex-prefeito é denunciado por não repassar empréstimos consignados aos bancos

Dezenas de funcionários foram lesados e tiveram seus nomes negativados no SPC/Serasa.

Caso Gislane

Mulher é presa suspeita de encomendar morte de jovem por ciúmes do namorado

A PM prendeu Marcela ainda dentro do ônibus quando chegava a cidade de Cristalândia

Animal Silvestre

Tamanduá-bandeira é capturado dentro de casa em Araguaína e solto na natureza

O animal foi colocado numa gaiola e solto em uma área verde próximo à cidade.

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Nas Redes
Nosso Whatsapp
063 9 9242-8694
Nosso Email
redacao@arnaldofilho.com.br
Copyright © 2011 - 2018 AF Notícias. Todos os direitos reservados.