JULGAMENTO

Após 13 anos, acusado de matar carroceiro em acidente de trânsito vai a júri em Araguaína

O julgamento demorou em razão de inúmeros recursos da defesa.

Por Márcia Costa 6.233
Comentários (0)

18/02/2022 14h40 - Atualizado há 2 anos
César Eduardo Dias Ferreira tinha 28 anos na época

A Justiça marcou para a próxima terça-feira (22/2) o julgamento de César Eduardo Dias Ferreira, acusado de atropelar a matar o idoso Raimundo Gonçalves de Lima, de 84 anos. O caso ocorreu há 13 anos em Araguaína, no dia 30 de agosto de 2008.

O julgamento está previsto para começar às 9h no Tribunal de Júri da Comarca de Araguaína, no fórum localizado na Avenida Filadélfia, sob a presidência do juiz Francisco Vieira Filho.

César Eduardo, hoje com 40 anos, tinha 28 anos na época do crime e era estudante de odontologia. Ele dirigia um Cross Fox quando atropelou o idoso, que atravessava a avenida com sua carroça. A vítima caiu em cima do carro. O carroceiro chegou a ser socorrido, mas morreu no hospital por causa de hemorragia interna.

O julgamento de César Eduardo chegou a ser marcado outras vezes, mas foi adiado em razão de recursos impetrados pela defesa, patrocinada pelo advogado Paulo Roberto da Silva

Na época, o caso ganhou repercussão nacional pelas circunstâncias em que ocorreu. O então estudante estava com sinais de embriaguez e debochou da situação perante as câmeras de TV. "Foi eu, eu vinha vindo. O jovem entrou na parada, e pah! nele. É para botar no ar!!! Muito Louco!!!", disse ele fazendo careta.

O QUE DIZ A DEFESA?

A defesa argumenta que o deboche foi em relação ao repórter da Rede Globo, e não à situação do acidente, fato que teria sido confirmado por testemunhas durante audiência. 

Sobre os recursos judiciais, a defesa explicou que vários deles foram deferidos pelo tribunal em razão de terem sido 'atropelados' os direitos constitucionais do acusado, a exemplo de pedidos de produção de provas que foram negados pelo juiz de primeiro grau. Outro adiamento foi para aguardar o julgamento de recursos no STJ e STF e, na terceira vez, para adequações legais na decisão que mandou o acusado a júri popular.

Na época, o motorista se recusou a fazer o teste do bafômetro. Ele também não foi submetido a exame de sangue e, portanto, não houve constatação de embriaguez.

Idoso estava numa carroça quando foi atropelado
Veículo do acusado
Cena do acidente

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2024 AF. Todos os direitos reservados.