Tribunal do Júri

Após 23 anos foragido, homem é condenado por matar ex-sogro e balear a ex-mulher

Crime ocorreu em abril do ano de 1996.

Por Redação
Comentários (0)

18/05/2022 17h37 - Atualizado há 1 mês
Julgamento ocorreu depois de 26 anos do crime.

Em sessão do Tribunal do Júri realizada nesta terça-feira (17/05), no Fórum de Porto Nacional, o Conselho de Sentença acatou as teses de acusação do Ministério Público do Tocantins (MPTO), e condenou Edivan Araujo de Souza a 19 anos e seis meses de prisão.

O réu foi condenado pelo assassinato de Jeová Ferreira de Souza, ex-sogro do réu, e pela tentativa de homicídio de Márcia Ribeiro de Souza, sua ex-esposa. 

O CRIME

O crime aconteceu em abril de 1996, na zona rural de Porto Nacional, quando Edivan foi até a chácara de Jeová para firmar acordo sobre a separação com a filha da vítima. Após concordarem sobre o assunto, Edivan, sob o pretexto de que desejava vender uma espingarda ao ex-sogro, foi até o táxi que o tinha conduzido ao local e pegou a arma, retornou para a casa e disparou contra Jeová, vitimando-o fatalmente, e deixando Márcia ferida.

Após o crime, Edivan empreendeu fuga e ficou foragido de 1996 a 2019, sendo preso em agosto desse ano, na cidade de Aparecida de Goiânia, e recambiado para a Unidade Penal de Porto Nacional.

No julgamento, o Conselho de Sentença considerou as acusações do MPTO e condenou Edivan por homicídio qualificado pelo motivo fútil, mediante dissimulação e uso de recurso que dificultou a defesa da vítima, além de tentativa de homicídio pelas mesmas qualificadoras, resultando na imposição de pena de 19 anos e seis meses de prisão.

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2022 AF Notícias. Todos os direitos reservados.