Fernanda Franco

'Consegui puxá-lo da mureta', diz médica do Samu que impediu suicídio em Araguaína

Ela conta que ficou conversando com o rapaz durante uma hora e meia.

Por Redação 3.635
Comentários (0)

06/08/2021 08h37 - Atualizado há 2 anos
Ela conta que o turbilhão de emoções se renova a cada novo atendimento

Em apenas cinco anos de profissão, a médica do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) de Araguaína Fernanda Franco, de 30 anos, já soma uma coleção de histórias que marcaram sua rotina de atendimentos durante os plantões na emergência.

Ela explica que neste tipo de trabalho as situações, embora parecidas, nunca se repetem e o turbilhão de emoções se renova a cada novo atendimento.

“Eu sempre achei incrível o trabalho dos profissionais do Samu, a cada chamada nós nos deparamos com situações diferentes e todas exigem extrema dedicação dos médicos, enfermeiros e motoristas, pois estamos lidando com a vida das pessoas”, conta.

Fernanda é a primeira personagem da série “Salvando vidas”, que traz histórias inusitadas e reais vividas pelos profissionais do Samu, como médicos, técnicos de enfermagem e enfermeiros durante os atendimentos de urgência.
 
Na hora da emergência

O plantão dos profissionais do atendimento de emergência do Samu é de 24 horas, por isso, durante este período, é necessário que eles estejam de prontidão na unidade para qualquer chamado. Durante essa rotina, alguns chamados acabam se tornando ainda mais inesperados, como o que aconteceu este ano durante um dos plantões da médica Fernanda Franco.

“Nós recebemos um chamado de apoio da própria Polícia Militar, por que havia um homem no viaduto que corta a BR-153 no perímetro urbano da cidade ameaçando se jogar do local. Nesse tipo de procedimento, nós geralmente damos apenas apoio à polícia, que lida diretamente com a pessoa, mas os esforços dos policiais não adiantaram e eles pediram nosso apoio”, explica Fernanda Franco.

Durante a ocorrência, a médica teve que se aproximar do rapaz que estava ameaçando se jogar do viaduto na tentativa de convencê-lo a não pular.

“Nós não temos treinamento para isso, mas, como não havia alternativa, eu precisava ajudar. Me aproximei dele e ficamos conversando durante uma hora e meia, até que consegui puxá-lo da mureta e trazê-lo para um local seguro com a ajuda do restante da equipe. Foi uma experiência muito marcante e que mostra o quanto é importante estarmos emocionalmente preparados para situações inusitadas e que exigem sempre o nosso melhor”, explica a médica.

Reconhecimento

Embora os profissionais da saúde que trabalham no Samu estejam sempre presentes em momentos tão importantes e de extrema necessidade da população, um dos principais pontos destacados pela médica é que este é um trabalho que na maior parte do tempo passa despercebido pela população.

“Somos muito cobrados a acertar sempre e às vezes até corremos riscos, pois precisamos atender em lugares perigosos, onde sofremos ameaças. Mas é gratificante quando conseguimos realizar nosso trabalho com sucesso, como há alguns anos quando atendemos um chamado em que um senhor estava com parada cardíaca em plena Via Lago e uma multidão se juntou. Conseguimos salvá-lo e fomos presenteados com muitos aplausos e aquelas palmas foram um grande presente que nunca me esqueci”, conclui a médica Fernanda Franco.

Médica Fernanda Franco
O plantão dos profissionais do atendimento de emergência do SAMU é de 24 horas

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2024 AF. Todos os direitos reservados.