Alerta

Estado já confirmou 6 casos de malária neste ano; 8 municípios têm alta classificação de risco

25 de abril é celebrado o Dia Mundial de Luta Contra a Malária.

Por Redação
Comentários (0)

24/04/2024 15h31 - Atualizado há 1 mês
Saúde oferece capacitação aos municípios para o enfrentamento da doença

Notícias do Tocantins – Considerado um problema sanitário no Brasil, a Malária é uma doença infecciosa causada por protozoários, que possui cura se for tratada precoce e adequadamente. Para trabalhar a prevenção e a eliminação no território tocantinense, a Secretaria de Estado da Saúde (SES-TO) vem desenvolvendo junto aos municípios um Plano de Ação Anual que visa o fortalecimento do sistema de vigilância.

No ano passado, o Tocantins registrou 31 casos de malária, sendo destes 06 considerados como casos autóctones, ou seja, de transmissão local, 19 casos de transmissão importada de outro Estado e 06 casos de origem internacional. Em 2024, até o momento, foram confirmados 06 casos de malária e nenhum autóctone.

Entre os objetivos da Saúde estão garantir o acesso ao diagnóstico, tratamento e acompanhamento adequado dos casos de malária; promoção de ações para reduzir os criadouros para o vetor, por meio de vigilância entomológica; manejo integrado de vetores e a promoção de ações de comunicação, educação em saúde e mobilização social.

“A SES-TO realiza esse acompanhamento das metas periodicamente e ao final de cada ano é realizado um relatório com os resultados alcançados ao longo do ano, a partir da avaliação dos dados obtidos e das mudanças na epidemiologia da malária, definimos os municípios prioritários para o controle e combate a doença”, explicou o biólogo e enfermeiro, responsável pela Área Técnica de Malária e Tracoma da SES-TO, Marco Aurélio de Martins.

Para as ações de 2024, foram selecionados oito municípios prioritários, sendo eles: Almas, Araguaína, Araguatins, Augustinópolis, Dianópolis, Esperantina, Palmas e Porto Nacional. As cidades foram classificadas nos estratos de risco 3, 4, 5 e 6. A pontuação é realizada de 1 a 6 e considera fatores como receptividade, autoctonia (transmissão local) e vulnerabilidade.

A médica veterinária responsável pelo Programa Municipal de Vigilância e Controle da Malária, em Araguaína, Ketren Carvalho Gomes, disse que “as ações de vigilância e controle da malária são constantes e ininterruptas e o fortalecimento crescente da integração entre a equipe municipal de Araguaína em parceria com a Assessoria Técnica Estadual da Malária no Tocantins têm gerado resultados exitosos e exemplares. E desde 2006, o município de Araguaína não registra casos autóctones, portanto demanda de uma estrutura organizacional de serviço fortalecida para a manutenção de zero casos”, relatou.

Dia Mundial

25 de abril é celebrado o Dia Mundial de Luta Contra a Malária, data estabelecida em 2007 pela Organização Mundial da Saúde (OMS), para marcar o reconhecimento aos esforços globais para o controle efetivo da doença. Além das medidas direcionadas à redução de casos, outra ação essencial a ser lembrada é o acompanhamento de pacientes, bem como o monitoramento de eventos adversos provocados pelo uso de medicamentos utilizados no tratamento.

Sintomas

Os sintomas mais comuns da doença são: calafrios, febre alta (no início contínua e depois com freqüência de três em três dias), dores de cabeça e musculares, taquicardia (aumento dos batimentos cardíacos), aumento do baço e, por vezes, delírios.

No caso de infecção por Plasmodium falciparum, também existe uma chance em de se desenvolver o que se chama de malária cerebral, responsável por cerca de 80% dos casos letais da doença. Além dos sintomas correntes, aparece ligeira rigidez na nuca, perturbações sensoriais, desorientação, sonolência ou excitação, convulsões, vômitos e dores de cabeça, podendo o paciente chegar ao coma.

Transmissão

O protozoário é transmitido ao homem pelo sangue, geralmente através da picada da fêmea do mosquito Anopheles, infectada por Plasmodium ou, mais raramente, por outro tipo de meio que coloque o sangue de uma pessoa infectada em contato com o de outra sadia, como o compartilhamento de seringas (usuários de drogas), transfusão de sangue ou até mesmo da mãe para feto, na gravidez.

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2024 AF. Todos os direitos reservados.