Ação judicial

Ex-prefeito recebeu propina via transferência bancária na conta pessoal, diz Ministério Público

Por Redação 717
Comentários (0)

02/07/2019 12h08 - Atualizado há 1 mês
Caso ocorreu na cidade de Aliança do Tocantins, sul do Estado

O Ministério Público do Tocantins (MPTO) ajuizou Ação Civil por ato de improbidade administrativa contra o ex-prefeito de Aliança do Tocantins, José Rodrigues da Silva, e contra a empresa DSC Construtora Ltda, por irregularidade na execução de obras de pavimentação urbana naquela cidade.

Conforme o MP, o município pagou R$ 222.039,06 pela primeira etapa da obra, mas somente R$ 129.025,36 foram realmente aplicados, o que ocasionou prejuízo de R$ 93.013,70 aos cofres públicos.

Do total de R$ 222.039,06, o município repassou R$ 121.500,00 à empresa por meio de duas transferências bancárias, realizadas nos meses de agosto e setembro de 2010. Segundo recibos, os R$ 100.539,06 restantes teriam sido pagos em espécie, contrariando as normas legais. Ocorre que um dos colaboradores da DSC Construtora, em depoimento ao Ministério Público, informou que a empreiteira nunca recebeu os R$ 100.539,06. 

O depoente também revelou ao Ministério Público que a construtora pagou R$ 20 mil ao prefeito, a título de propina. Após a quebra do sigilo bancário do gestor municipal, foi identificada a transferência dos R$ 20 mil, da conta da empresa para sua conta pessoal. José Rodrigues da Silva não apresentou nenhuma justificativa plausível para esta e outras transferências bancárias em que foi beneficiado pela construtora.

O Ministério Público afirma que a gestão municipal nunca prestou contas, de forma adequada, da primeira parcela do convênio para pavimentação urbana, o que impediu o município de receber, do Governo do Estado, os valores relativos à segunda e à terceira etapa da obra.

A Ação Civil Pública foi proposta pelo promotor de Justiça Roberto Freitas Garcia, que atua na área de proteção do patrimônio público. Na esfera civil, o ex-prefeito e a empresa ficam sujeito às penas de ressarcimento do prejuízo ao erário, pagamento de multa, proibição de contratar com o poder público, proibição de receber benefícios fiscais ou de crédito e suspensão dos direitos políticos, esta última aplicável ao ex-gestor.

Criminal

Pelos mesmos fatos, o Ministério Público propôs também uma denúncia contra o ex-prefeito José Rodrigues da Silva, pelo crime de corrupção passiva. Na esfera criminal, ele fica sujeito às penas de reclusão e pagamento de multa.

As informações são da Assessoria de Comunicação do MPTO.

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2019 AF Notícias. Todos os direitos reservados.