Passou da hora de nascer

Família denuncia negligência médica no Hospital Dom Orione após bebê morrer na barriga da mãe

Por Agnaldo Araujo
Comentários (0)

19/04/2017 13h17 - Atualizado há 2 semanas
Márcia Costa//AF Notícias Após 40 semanas de uma gestação saudável e sem problemas aparentes, a pequena Laura deveria ter nascido na última sexta-feira (14) no Hospital e Maternidade Dom Orione, em Araguaína. Contudo, a família relata que a criança passou da hora de nascer e morreu ainda na barriga, possivelmente por negligência de uma médica da unidade, cujo nome não foi revelado. A senhora Neide Maria, avó de Laura, relatou que sua nora esteve na maternidade, na sexta-feira (14), sentindo fortes dores e contrações. Segundo o relato, a médica que a atendeu pediu a um estagiário que fizesse o "toque" a fim de verificar se haviam sinais de dilatação. Após o exame, o estagiário teria informado que a gestante já estava com dilatação, porém, a médica refez o toque e disse que não. Diante disso, mandou a gestante ir para sua casa e voltar somente na segunda-feira (17).
"A minha nora chegou ao hospital com dores e já estava na semana do bebê nascer, mas ouviu da médica para voltar outro dia. Ela retornou para casa sentindo muita dor e logo no sábado as dores ficaram mais fortes", disse a avó.
Neide Maria afirmou que na manhã de sábado a bebê ainda se mexia na barriga da mãe. "No sábado de manhã a Laura ainda estava mexendo, mas a tarde a dor aumentou e levamos minha nora para a maternidade, quando resolveram fazer a ultrassom que devia ter sido feita no dia anterior, descobriram que a bebê já estava morta. Tudo culpa dessa falta de amor, porque minha netinha estava pronta para nascer, morreu porque passou da hora, porque fizeram pouco caso com a gente", desabafou a avó. A avó da pequena Laura ressaltou que a médica não fez nenhuma ultrassom para verificar a situação do bebê. “Se tivesse feito um ultrassom, um exame detalhado para ver como estava a Laura isso não teria acontecido. Toda mulher que chega na maternidade merece atenção. Dói muito na gente, essa criança era muito desejada agora só ficou o vazio e precisamos de justiça. Médico é para salvar vidas", finalizou Neide Maria. O outro lado A reportagem já enviou solicitação de esclarecimentos ao Hospital Dom Orione, ainda no início da manhã, mas até agora não obteve resposta.

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Nas Redes
Nosso Whatsapp
063 9 9242-8694
Nosso Email
redacao@arnaldofilho.com.br
Copyright © 2011 - 2018 AF Notícias. Todos os direitos reservados.