Tempos de crise

FPM pode ter redução nos próximos meses e ATM fala em necessidade de "avaliação dos gastos públicos"

Por Agnaldo Araujo
Comentários (0)

28/07/2016 10h38 - Atualizado há 1 mês
O Fundo de Participação dos Municípios (FPM) poderá sofrer redução nos próximos meses, segundo estudo da Confederação Nacional de Municípios (CNM), que avaliou a expectativa de arrecadação do governo federal traçada no Relatório de Avaliação Fiscal e Cumprimento de Meta, divulgado pelo Ministério do Planejamento, referente ao terceiro bimestre de 2016. A Associação Tocantinense de Municípios (ATM) ressaltou que as previsões poderão inviabilizar o planejamento orçamentário das prefeituras. Com base na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), o relatório do governo federal evidência as perspectivas econômicas para o ano e a realização de receitas e despesas orçamentárias, com o objetivo de controlar a obtenção da meta fiscal estabelecida. Dentre as considerações feitas pela CNM, a partir dos números, está o impacto negativo das perspectivas econômicas divulgado em relatórios ao longo de 2016. Resultado negativo que fica mais acentuado quando comparado a previsão do Projeto de Lei Orçamentária Anual (PLOA). Redução O governo tem reduzido a expectativa do FPM, desde a publicação da LOA, e as projeções estão cada vez menores a cada publicação dos relatórios, segundo explica a Confederação. A LOA estimou o Fundo Constitucional em R$ 99,6 bilhões. Entretanto, nesse último relatório, a estimativa é de R$ 86,1 bilhões – redução superior a 13%, segundo cálculo da entidade. Este ano, o FPM será de 24,5% do montante arrecadado de Imposto de Renda (IR) e Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI). Assim, o Fundo deve ficar em torno de R$ 86,1 bilhões este ano, considerando os repasses extras de julho e dezembro. A CNM relatou que as significativas reduções do IR - responsável por mais de 85% do FPM – pode tornar a retração do Fundo ainda pior. Apesar de o imposto não apresentar redução tão expressiva nesse último relatório, a expectativa de recolhimento mantém-se pessimista. A análise da entidade aponta que na LOA a arrecadação do IR foi prevista em R$ 350,5 bilhões. Já nessa 3º avaliação do governo, o valor diminuiu para R$ 311,6 - o que representa redução de 11,1%. Comparando do IR, indicados da segunda para a terceira avaliação, o valor é 0,25%, menor. Rendimento Na estimativa do IPI, a equipe técnica da CNM também aponta redução nas estimativas e indica que ele foi o maior responsável pela retração do Fundo, por conta do baixo rendimento e do fraco desempenho da economia. Na LOA, a expectativa de arrecadação foi de R$ 56,1 bilhões e no terceiro relatório a estimativa diminuiu para R$ 43,3 bilhões, ou seja 22,8% a menos. “Ao comparar o atual relatório com o último, nota-se o decréscimo da arrecadação do IPI em 5,46%”, afirma a avaliação da CNM. Alerta O presidente da ATM e prefeito de Brasilândia do Tocantins, João Emídio de Miranda, afirmou que o momento é de cautela e que os gestores municipais precisarão rever gastos. “Se faz necessário uma avaliação dos gastos públicos, além de maior precaução na hora de comprometer as receitas municipais. Enquanto isso, a ATM e CNM continuarão pressionando o governo federal pela liberação dos 0,25% do FPM especial de julho”, disse. A Emenda Constitucional 084/2014 determina 1% de FPM em julho, mas foi liberado 0,75%, conforme interpretação da Secretaria do Tesouro Nacional, o que representou um montante a menos de R$ 790 milhões a serem distribuídos para os municípios. (Ascom - ATM)

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Nas Redes
Nosso Whatsapp
063 9 9242-8694
Nosso Email
redacao@arnaldofilho.com.br
Copyright © 2011 - 2018 AF Notícias. Todos os direitos reservados.