Tocantins

Justiça bloqueia R$ 120 milhões de advogados e escritórios réus por suposto esquema em prefeitura

Por Redação AF
Comentários (0)

18/07/2018 19h10 - Atualizado há 2 meses
A Justiça decretou bloqueio de bens no total de R$ 120 milhões de réus denunciados em ação de improbidade administrativa relacionada ao pagamento de honorários advocatícios em processos da Prefeitura de Lajeado do Tocantins, a cerca de 40 km de Palmas. Na decisão, proferida nesta quarta-feira (18/07), o juiz Alan Ide Ribeiro da Silva, da Comarca de Tocantínia, ainda determina a quebra de sigilo fiscal e bancário dos envolvidos. A decisão atinge solidariamente os escritórios Melo & Bezerra Advogados Associados S/S e Brom & Brom Advogados Associados S/S, além dos advogados Fábio Bezerra de Melo Pereira, Juliana Bezerra de Melo Pereira, André Guilherme Cornelio de Oliveira Brom e Luciano Machado Paçô. Conforme o processo, a prefeitura de Lajeado teria direito a receber R$ 200 milhões do repasse do ICMS proveniente das atividades da Usina Hidrelétrica Luís Eduardo Magalhães, mas abriu mão de 50% do total para fechar um acordo com o Governo do Estado. "Para que essa negociação fosse possível, uma lei municipal deveria ser aprovada, autorizando a prefeitura fechar um acordo com o governo do Estado - o que reduziria o montante total a receber do ICMS pela metade", diz um trecho da decisão. Para tanto, ainda segundo o processo, houve compra de apoio parlamentar para aprovação da lei e quem teria acertado o valor com os vereadores foi um dos advogados beneficiados pelo suposto esquema. Pela atuação jurídica neste acordo de repartição do imposto, 20% do valor recebido pela prefeitura iria para os advogados, ou seja, R$ 20 milhões dos R$ 100 milhões devidos ao Município. A prefeitura de Lajeado, neste caso, ficaria com apenas R$ 80 milhões dos R$ 200 milhões iniciais a que tinha direito. Desta forma, o magistrado entendeu que os prejuízos aos cofres públicos somam R$ 120 milhões  e, por isso, determinou a indisponibilidade patrimonial no valor total que a prefeitura deixou de arrecadar. Na decisão, o juiz ainda determinou a quebra do sigilo fiscal e bancário dos réus a partir de 2014. Para o magistrado, a medida é necessária para entender melhor o suposto esquema denunciado, que envolve delitos como compra de apoio parlamentar, corrupção ativa e passiva de agentes públicos, formação de quadrilha e prevaricação e ameaça. "Somente por meio deles será possível efetivar o ressarcimento real do erário em razão dos atos até então praticados", pontuou. Todos os pagamentos provenientes da atuação dos réus junto à prefeitura também foram suspensos. Confira aqui a decisão. As informações são da Assessoria de Comunicação do TJ-TO.

Comentários (0)

Mais Notícias

Palmas

BMW fica completamente destruída após pegar fogo na Avenida Teotônio Segurado

A BMW ficou completamente destruída após o incêndio. Ninguém ficou ferido.

Violência

Adolescente de 15 anos é morto com três tiros durante assalto no sul do Estado

O menor foi atingido por três disparos na cabeça e no tórax.

Acidente

Mulher tem perna esmagada por veículo após acidente em cruzamento de Palmas

Testemunhas disseram que a motociclista tentou atravessar a Teotônio quando foi atingida

Álcool e direção

Motorista bêbado invade a contramão, colide e mata motociclista na TO-080

Com o impacto da batida, moto e condutor foram arremessados cerca de 30 metros.

Perigo

Crianças são arrastadas por enxurrada enquanto banhavam em córrego de Palmas

Os garotos tomavam banho no córrego quando foram surpreendidos pela força da água.

Engavetamento

Ônibus perde freios e provoca engavetamento na principal avenida de Araguaína

O engavetamento envolveu um ônibus, um veículo de passeio e um caminhão de pequeno porte.

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Nas Redes
Nosso Whatsapp
063 9 9242-8694
Nosso Email
redacao@arnaldofilho.com.br
Copyright © 2011 - 2018 AF Notícias. Todos os direitos reservados.