Estado

Número de peritos criminais no Tocantins é quase 50% a menos do que o recomendado pela ONU

Por Agnaldo Araujo
Comentários (0)

03/03/2017 08h35 - Atualizado há 3 meses
Com um trabalho essencial para conclusão do inquérito policial e a descoberta dos culpados em crimes ocorridos e relatados a Polícia Civil, o quantitativo de profissionais responsáveis pela perícia criminal atualmente no Tocantins é quase 50% a menos do que o ideal recomendado pela Organização das Nações Unidas (ONU). A orientação da ONU é de que haja um perito para cada cinco mil habitantes. No interior do Estado, o contingente de policiais peritos é ainda mais preocupante. No caso do Núcleo de Perícia do Interior da cidade de Araguaína, por exemplo, a relação de habitantes por cada perito chega a 23.541. São 12 profissionais trabalhando em uma área de 29.238,60 km² que abrange 15 municípios, o que corresponde a uma população estimada de 282.486 habitantes ao todo. Segundo dados levantados junto ao Portal da Transparência pela própria comissão de candidatos aprovados no concurso da Polícia Civil para o cargo de peritos, o núcleo pericial de Porto Nacional tem quatro profissionais atendendo uma população de 101.586 habitantes em 13 cidades, o que significa um número de 25.397 habitantes por perito criminal. Palmas é o único município do Estado em que a recomendação da ONU é respeitada (são 68 peritos que trabalham em cinco municípios, o que corresponde a 4.348 peritos por habitantes). No Tocantins há ao todo 13 núcleos de perícia, mais a Capital com unidades em Palmas (Instituto de Criminalística e Genética Forense), Araguaína, Tocantinópolis, Gurupi, Porto Nacional, Guaraí, Paraíso do Tocantins, Colinas do Tocantins, Dianópolis, Arraias, Araguatins, Pedro Afonso, Alvorada e Miracema do Tocantins. Do total de profissionais na ativa, atualmente 132, 17 exercem o cargo de chefia e direção (13 chefia de núcleo, um superintendente, um diretor e dois gerentes) e 28 servidores estão aptos para aposentadoria. E a carência de profissionais tem como consequência direta a dificuldade de levar adiante a inquirição e análise de crimes diversos, desde os mais simples, até os mais complicados. Quem sofreu na pele com isso foi o pedagogo Dione da Silva Lima, que teve o som do seu veículo roubado ainda no dia 11 de maio de 2015, em frente a um shopping, em Palmas.Dione conta que permaneceu no local por 15 minutos e ao retornar para o carro, percebeu que a porta do veículo tinha sido arrombada e que os bandidos tinham levado o módulo do som. Dione procurou uma delegacia de polícia na Avenida Teotônio Segurado, mas foi orientado a registrar o boletim de ocorrência em outro local. “Me disseram que aquela delegacia só trabalhava com investigações relacionadas a tráfico de drogas e furto de veículos e como o veículo não tinha sido levado eu teria que procurar outra delegacia. Foi o que fiz. Registrei o Boletim de Ocorrência e não recebi nenhum retorno da polícia até hoje. Quando estava prestando depoimento o profissional chegou a dizer que eu poderia ter evitado o prejuízo se tivesse colocado o carro dentro do estacionamento do shopping. Foi um prejuízo de R$ 600. Nunca tive nenhuma resposta do meu B.O”, contou Dione.  O caso do Dione é apenas um exemplo de um crime que poderia ter um desfecho diferente caso fosse feito o exame pericial no momento do acontecimento.  Enquanto a população espera por soluções, 63 peritos (mais 16 cadastro de reserva) estão prontos para o exercício da profissão aguardando a convocação do Governo do Estado para o início dos trabalhos. Os candidatos aprovados no concurso da Polícia Civil, que aconteceu ainda no ano de 2014, já fizeram o curso de formação e estão esperando apenas a nomeação para serem incluídos nos quadros de profissionais da Segurança Pública do Tocantins e começarem a colaborar com as investigações criminalísticas. Com a convocação, Araguaína passaria a ter 22 peritos. Segundo o Plano de Cargo, Carreira e Remuneração dos Policiais Civis, lei nº 2.887 (28/12/2014), o total das vagas para peritos atuando no Tocantins são de 217. Os profissionais, segundo determina a lei deveriam estar trabalhando em quinze áreas diferentes. Mesmo com a nomeação dos candidatos aprovados, pela lei, o déficit de profissionais cairia para cerca 22,83%. Do quantitativo geral de candidatos aprovados, 12 já são servidores estaduais, ou seja, com vencimentos que correspondem a 8.68% do valor que o governo estadual gastaria se nomeasse os aprovados que já fazem parte do quadro administrativo da gestão. O custo da nomeação mensal seria de R$ 726.782,48. Para Cirino de Sousa Passos, que integra a comissão dos candidatos aprovados no certame, a demora em convocar os aprovados afeta diretamente toda as ramificações da segurança pública no Tocantins e principalmente, a população. “A falta de peritos sobrecarrega o já reduzido quadro desses profissionais e dificulta o esclarecimento dos fatos, visto que sem os estudos técnicos adequados, crimes deixam de ser demonstrados e os culpados revelados à justiça. Resultando dessa forma, numa inversão de papeis sociais, no qual os criminosos ficam livres e a sociedade presa à sensação de insegurança que é agravada com essa demora em nomear profissionais já capacitados através de um excelente curso de formação", finaliza. (Ascom)

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Nas Redes
Nosso Whatsapp
063 9 9242-8694
Nosso Email
redacao@arnaldofilho.com.br
Copyright © 2011 - 2018 AF Notícias. Todos os direitos reservados.