Irregularidades

Pleno do TCE confirma suspensão de licitação de R$ 27 milhões para coleta de lixo em Araguaína

O tribunal determinou a publicação de um novo edital da concorrência pública. 

Por Redação 1.062
Comentários (0)

21/09/2019 09h45 - Atualizado há 3 semanas
Coleta é feita atualmente pela empresa Litucera

Em decisão unânime, na sessão de quarta-feira (18), o Pleno do Tribunal de Contas do Tocantins (TCE/TO) manteve a decisão cautelar da conselheira Doris de Miranda Coutinho que suspendeu todos os atos decorrentes da concorrência pública nº 010/2018, da Prefeitura de Araguaína, para contratação de empresa especializada na prestação de serviços de limpeza pública e tratamento de resíduos sólidos, no valor mensal estimado de R$ 2.282.676,68, somando R$ 27.392.120,16 por ano. 

Atualmente os serviços são prestados pela empresa Litucera, que disputa novamente a licitação. 

Na decisão, a conselheira acatou uma representação feita por uma das empresas licitantes e também denúncia de outra empresa, realizada através da Ouvidoria do TCE/TO (número 0800 644 5800), ambas apontando possíveis irregularidades no processo licitatório, realizado pela Secretaria Municipal de Infraestrutura de Araguaína, infringindo a Lei 8.666/93.

Ao confirmar a suspensão, o TCE determinou que seja feita a correção do erro apontado e seja publicado um novo edital da concorrência pública com nova data de abertura do processo. 

Dentre as irregularidades verificadas na apuração das denúncias, constam exigências contraditórias quanto à estrutura das empresas que podem concorrer como, por exemplo, quantidade de caminhões compactadores e de mão de obra; quantidade de contêineres para reserva técnica; ausência de características técnicas dos veículos, equipamentos, ferramentas e insumos que requeiram especificação e sobrepreço devido à composição de custos inadequada para o serviço de destinação final de resíduos domiciliares. 

Outro fator é que o edital coloca restrição à competitividade da licitação nos itens que tratam do prazo para apresentação de licença de operação do local de destinação final dos resíduos sépticos, bem como para os resíduos sólidos domiciliares e comerciais (lixo coletado). 

A licitação, como foi anunciada, indica que a licitante vencedora deva ser remunerada pela aquisição de área, implantação e manutenção do aterro. De acordo com a cautelar, “desse modo, não justifica a Prefeitura de Araguaína financiar um aterro sanitário privado, visto que não é uma Parceria Público-Privada”. 

Confira a íntegra da Resolução do Pleno nº 587/2019 e do despacho nº 700/2019

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2019 AF Notícias. Todos os direitos reservados.