Cristalândia

Prefeito afastado durante operação da PF afirma estar tranquilo: 'a verdade virá à tona'

A Polícia Federal investiga direcionamento de licitação.

Por Redação 851
Comentários (0)

06/08/2020 18h52 - Atualizado há 1 mês
Cleiton Batatinha, prefeito afastado de Cristalândia

Afastado do cargo por suspeita de receber propina de uma empresa que atua no transporte escolar, o prefeito de Cristalândia do Tocantins, Cleiton Cantuário (DEM), disse estar tranquilo em relação à investigação da Polícia Federal que apura fraude e direcionamento de licitação.

A Operação Direct foi deflagrada na última quarta-feira (5) e afastou também o prefeito de Peixe, José Augusto (DEM), por decisão do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1).

Cleiton Batatinha, como é conhecido, disse que sua assessoria jurídica está buscando o esclarecimento dos fatos e está tranquilo em relação à lisura do processo. "Estamos contribuindo com as investigações e os fatos devem ser esclarecidos nos próximos dias", disse Batatinha.

Segundo o prefeito, todas as ações realizadas junto à prefeitura são feitas com o objetivo de evitar ilegalidades.

"A gestão tem atuado e, por isso, temos conseguido executar o trabalho de forma coesa, o que tem garantido a melhoria da vida da população", ressaltou. Ele acrescentou que seus advogados estão recorrendo da decisão que o afastou do cargo.

"Em breve, a verdade virá à tona e nós continuaremos a realizar um trabalho em prol da população de Cristalândia", finalizou.

ENTENDA

O TRF1, em Brasília, determinou o afastamento da função pública dos prefeitos de Cristalândia, Cleiton Cantuário Batatinha, e de Peixe, José Augusto Bezerra Lopes, ambos do DEM.

Os gestores são suspeitos de receberem propina de uma empresa que presta serviços de transporte escolar nos municípios desde 2017. A Polícia Federal cumpriu 9 mandados de busca e apreensão nas cidades de Aliança, Peixe e Cristalândia.

Também foi determinado o afastamento do cargo de um servidor público que atua como chefe de licitações. A justiça ainda decretou a prisão de um empresário que mora em Aliança do Tocantins que teria vencido a licitação mediante fraude e direcionamento. A investigação apontou ainda que a empresa contratada pelas prefeituras seria de fachada, pois não tinha nenhum funcionário. Os contratos investigados somam mais de R$ 13 milhões. 

Conforme a PF, o empresário realizava depósitos e transferências de valores para os prefeitos, no mesmo período em que ocorreram as contratações.

Os investigados poderão responder, na medida de suas responsabilidades, pelos crimes de fraude à licitação, desvio de verbas públicas, corrupção ativa, corrupção passiva e associação criminosa, cujas penas somadas podem ultrapassar 30 anos de prisão.

VEJA TAMBÉM

Dois prefeitos são afastados pela Justiça no Tocantins por suspeita de receberem propina

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2020 AF Notícias. Todos os direitos reservados.