Tocantins

Sintet comemora 'naufrágio político' de Marcelo Miranda e fim do governo 'maléfico'

Por Agnaldo Araujo
Comentários (0)

27/03/2018 17h53 - Atualizado há 1 mês
“É com satisfação que assistimos a queda do governador do Tocantins, Marcelo Miranda (MDB)". Assim afirmou o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação no Tocantins (Sintet), José Roque Santiago. Marcelo Miranda e a vice-governadora, Cláudia Lelis foram cassados pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) por fazerem 'caixa 2' na campanha eleitoral de 2014 e também por abuso de poder econômico. O acórdão da decisão foi divulgado no Diário de Justiça Eletrônico (DJE) na noite desta segunda-feira (26), e oficializa o fim do mandato de Miranda. Para o presidente do Sintet, o Governo de Marcelo Miranda era 'maléfico aos diversos setores da sociedade, especialmente para a educação'. "Marcelo teve uma gestão marcada pela ineficiência. Desde o início de seu mandato ignorou as reivindicações dos/as trabalhadores/as da educação estadual, não recebeu, não apresentou proposta, não cumpriu acordos e não delegou, antes deixou a categoria a ver navios. Hoje comemoramos seu naufrágio político”, afirmou José Roque. O Sintet também citou os descontos dos empréstimos consignados e dívidas do Igeprev. "Temos ainda os descontos indevidos dos consignados, a novela do caos em que se transformou o plano se saúde dos/as servidores/as, os sucessivos parcelamentos e não cumprimento de dívidas do Igeprev, desmandos a perder de vista", afirmou o presidente da entidade. O sindicato finalizou afirmando que vê como tardia, porém legítima a decisão do TSE. Veja a nota “É com satisfação que assistimos a queda do governador do Estado do Tocantins, Marcelo Miranda (MDB). Um governo maléfico aos diversos setores da sociedade, especialmente para a Educação. Marcelo teve uma gestão, se é que podemos chamar de gestão, marcada pela ineficiência. Desde o início de seu mandato ignorou as reivindicações dos/as trabalhadores/as da educação estadual, não recebeu, não apresentou proposta, não cumpriu acordos e não delegou, antes deixou a categoria a ver navios. Hoje comemoramos seu naufrágio político.  O Sintet encerrou a greve da categoria em 2015 com 9 (nove pontos de reivindicação), sendo acordado com o governo estadual a garantia do cumprimento da pauta. Após a greve, Marcelo Miranda chancelou um pacote de maldades para a Educação: ajuizou uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADIN) contra a equiparação Prono e Proeb, decretou inconstitucional a eleição direta de diretor de escola, anulou por decreto os itens do plano de carreira, que estabelecia as comissões e não recebeu mais o sindicato. Em 2016, o governo através da secretária midiática, Wanessa Sechin, insensível com a categoria, rechaçou quaisquer avanços para a Educação, apesar do sindicato cobrar audiências e repostas para a pauta de reivindicações. Em 2017, o Sintet protocolou vários pedidos de audiência na Seduc, na Secad e ao próprio governador, mas nenhuma resposta foi obtida. A secretária, do seu pedestal, implementou um processo seletivo de diretores, que nem de longe pode ser chamado de democrático, todas as suas ações foram (ao ver do Sintet) monocráticas e midiáticas, umas das piores gestoras que a Seduc já teve. A luta sindical em 2017 se manteve focada na pauta nacional, na guerra travada contra a Reforma do Ensino Médio e contra a Base Nacional Comum Curricular, ambas desastrosas para a educação pública. Lutamos ainda contra a Terceirização e a Reforma Trabalhista, todas elas sacramentadas pela base do governo no congresso nacional, onde os parlamentares tocantinenses agiram como verdadeiros “Pilatos”, rifando os direitos dos trabalhadores/as. Conseguimos com muito protesto suspender a Reforma da Previdência, uma vitória da classe trabalhadora. Outro fator negativo no des’governo de Miranda tem sido as constantes parcerias com as fundações e institutos (Itaú Social, Lemann e Ayrton Senna), realizadas através da Seduc. Para o Sintet, a utilidade desses convênios é desviar o foco da educação e assim legitimar os desvios de recursos da Educação Básica. Além disso, temos ainda, os descontos indevidos dos consignados, a novela do caos em que se transformou o plano se saúde dos/as servidores/as, os sucessivos parcelamentos e não cumprimento de dívidas do Igeprev, desmandos a perder de vista. Não vemos como positivo esse tsunami no cenário político tocantinense, principalmente em ano eleitoral, mas a queda do governador é como um fôlego para categoria. Neste momento, nossa recomendação aos trabalhadores/as da educação pública e em geral, é que, caso tenha eleições diretas, que possamos escolher com responsabilidade candidatos que realmente tenham compromisso com a nossa pauta de reivindicações (reprimida por Marcelo), com a qualidade e a valorização da Educação e dos educadores.  É imprescindível que em mais esta crise que assola nosso Estado, as pessoas de bem assumam seu papel de protagonista da política, para que não incidamos em mais escândalos e descaso com nosso povo. O Sintet vê como tardia, porém legítima a decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) por fazer justiça e firma o compromisso de cobrar aos postulantes ao cargo de governador, um maior respeito e consideração aos trabalhadores/as em educação, aos tocantinenses em geral e aos preceitos morais, na qualidade de um agente público".

Comentários (0)

Mais Notícias

Protesto

Moradores plantam pés de banana no meio de rua esburacada no norte do Estado

Moradores também reclamaram do atraso nas obras de pavimentação.

Trânsito

Acidente em rotatória mata jovem e deixa outro gravemente ferido em Palmas

Moradores reclamam que não há iluminação e a sinalização é precária na rotatória.

Notícias falsas

TSE vai anunciar medidas contra fake news após tensão entre Haddad e Bolsonaro

A semana que passou foi tensa, pois Haddad acusou Bolsonaro de estar por trás do esquema.

Concurso PM

Por requisição do MPE, PM vai apurar falhas no concurso para soldado e oficial

Cerca de 16 candidatos são acusados de fraudar as provas para o concurso da PM do Tocantins

Educação

Quase 130 professores de Araguaína ganham progressões salariais na carreira

Os educadores que subiram de nível receberão aumento em seus salários a partir de fevereiro de 2019

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Nas Redes
Nosso Whatsapp
063 9 9242-8694
Nosso Email
redacao@arnaldofilho.com.br
Copyright © 2011 - 2018 AF Notícias. Todos os direitos reservados.