Irregulares

TCE rejeita contas das prefeituras e Câmaras de Tocantinópolis, Goiatins, Palmeirante e Barrolândia

Por Agnaldo Araujo
Comentários (0)

01/12/2017 15h30 - Atualizado há 2 meses
Agnaldo Araujo//AF Notícias O Tribunal de Contas do Tocantins recomendou a rejeição das contas da prefeitura de Tocantinópolis, Goiatins e Palmeirante referente ao exercício de 2015. O órgão fiscalizador ainda julgou irregular a prestação de contas da Câmara Municipal de Barrolândia, também de 2015, e de Muricilândia do ano de 2013. Tocantinópolis O prefeito de Tocantinópolis em 2015 era Fabion Gomes de Sousa. Os conselheiros do TCE apontaram que houve omissão de receita na prestação de contas; divergência entre a arrecadação e os registros contábeis referentes ao FPM (Fundo de Participação dos Municípios) e repasse menor da contribuição patronal. Também pontuaram que houve repasse ao legislativo referente ao duodécimo de R$ 1.495.252,55, considerado acima do limite máximo de 7% estabelecido pela Constituição Federal. O Município também realizou despesas impróprias na Manutenção de Desenvolvimento do Ensino - MDE (despesas com gêneros alimentícios/ refeições/merenda pagas, com recursos do MDE 0020.00.000) no valor de R$ 156.662,40. Goiatins O TCE também emitiu parecer pela rejeição das contas de 2015 da prefeitura de Goiatins, sob a responsabilidade de Vinicius Donnover Gomes. Conforme o órgão, houve abertura de créditos suplementares sem que fosse apresentado o decreto de abertura de crédito e sem a indicação dos recursos correspondentes e ainda arrecadação inferior a 65% da receita prevista. Não foi comprovada a efetiva arrecadação dos tributos de competência exclusiva do município e ainda houve cancelamento de restos a pagar processados, de acordo com o TCE. Palmerirante Palmeirante teve como prefeito em 2015 Manoel de Oliveira Plínio. Para recomendar a rejeição das contas da prefeitura daquele ano, o TCE apontou déficit orçamentário, financeiro e patrimonial; índice de liquidez imediata negativo e inscrição de restos a pagar sem disponibilidade financeira. Barrolândia A prestação de contas da Câmara Municipal de Barrolândia foi julgada irregular porque o total da despesa da Casa resultou em R$ 501.500,04, atingindo o índice de 7,01% da receita base de cálculo, portanto acima do limite constitucional estabelecido. A vereadora que presidia a casa na época, Gilene Aquino Silva, foi multada em R$ 2 mil. Muricilândia A Câmara de Muricilândia também teve as contas questionadas referente ao período de 2013. De acordo com o TCE, houve déficit orçamentário; registros contábeis incorretos sobre fatos relevantes; déficit financeiro; déficit patrimonial e o total de gastos ultrapassou o percentual fixado constitucionalmente. A Câmara foi notificada e disse que apresentará defesa com todos os documentos e informações pertinentes.

Comentários (0)

Mais Notícias

Perigo

Crianças são arrastadas por enxurrada enquanto banhavam em córrego de Palmas

Os garotos tomavam banho no córrego quando foram surpreendidos pela força da água.

Engavetamento

Ônibus perde freios e provoca engavetamento na principal avenida de Araguaína

O engavetamento envolveu um ônibus, um veículo de passeio e um caminhão de pequeno porte.

Ipueiras (TO)

Ex-prefeito é denunciado por não repassar empréstimos consignados aos bancos

Dezenas de funcionários foram lesados e tiveram seus nomes negativados no SPC/Serasa.

Caso Gislane

Mulher é presa suspeita de encomendar morte de jovem por ciúmes do namorado

A PM prendeu Marcela ainda dentro do ônibus quando chegava a cidade de Cristalândia

Animal Silvestre

Tamanduá-bandeira é capturado dentro de casa em Araguaína e solto na natureza

O animal foi colocado numa gaiola e solto em uma área verde próximo à cidade.

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Nas Redes
Nosso Whatsapp
063 9 9242-8694
Nosso Email
redacao@arnaldofilho.com.br
Copyright © 2011 - 2018 AF Notícias. Todos os direitos reservados.