Operação Caninana

Audiência da Operação Caninana dura três semanas e entra para a história da Justiça no Tocantins

Foi uma das mais longas da história do Judiciário do Tocantins.

Por Redação 733
Comentários (0)

27/05/2023 09h04 - Atualizado há 11 meses
Colegiado vai avaliar se o caso será encaminhado ao Tribunal do Júri

Depois de três semanas de inquirições de testemunhas e interrogatórios dos acusados de integrar um suposto grupo de extermínio formado por policiais civis do Tocantins, foi concluída, nessa quinta-feira (25), a audiência de instrução da Operação Caninana, uma das mais longas da história do Judiciário do Tocantins.

A audiência começou no dia 9 de maio, no Fórum de Palmas, com previsão inicial de conclusão no dia 19 de maio, mas, em função do volume de depoimentos e da duração de alguns deles, o prazo foi prorrogado para a quinta-feira (25).

Nas duas primeiras semanas, foram ouvidas 11 testemunhas de acusação e 27 de defesa. Na terceira semana, foram realizados os interrogatórios dos sete acusados, sendo que o último deles foi ouvido na quinta-feira.

Após interrogatórios, as partes solicitaram prazo para requerer eventuais diligências complementares, como perícias e juntada de novos documentos. O colegiado de juízes responsável pelo processo definiu o dia 5 de junho como data final para que o Ministério Público apresente seus requerimentos. Já a defesa terá até o dia 12 de junho. Em seguida, as partes apresentarão as alegações finais, primeiro a acusação e depois a defesa. Por fim, o colegiado vai avaliar se o caso será encaminhado ao Tribunal do Júri. Durante a audiência, as defesas solicitaram a revogação das prisões preventivas, o que será apreciado pelo Colegiado.

Momento histórico para o Judiciário

A complexidade do processo, o volume de pessoas ouvidas e o tempo necessário para a conclusão da audiência – 12 dias de oitivas – foram destacados por advogados e promotores de justiça, que consideraram a audiência um momento histórico para o Poder Judiciário e destacaram a condução dos trabalhos pelo Colegiado de juízes responsável pelo julgamento do caso.

As oitivas foram conduzidas por três juízes criminais e contaram com a presença de promotores de justiça e advogados dos réus. Para agilizar as audiências, o Judiciário do Tocantins estabeleceu atos de cooperação com as demais instituições que compõem o Sistema de Justiça. 

Cooperação entre Judiciário e instituições

Com o objetivo de dar mais agilidade ao andamento do processo do suposto grupo de extermínio na Polícia Civil do Tocantins, o Poder Judiciário do Tocantins  estabeleceu ato de cooperação com as demais instituições que compõem o Sistema de Justiça. Para tanto, o Colegiado de juízes que presidiu a ação penal realizou reunião prévia à audiência de instrução com os membros do Ministério Público do Tocantins (MPTO) e com os advogados dos acusados.

Na oportunidade, as partes, de comum acordo, estabeleceram calendário para a inquirição de testemunhas e interrogatórios dos acusados em período integral.

O que é oitiva

Oitiva é um substantivo feminino que significa ouvido, audição. Na área do Direito, oitiva é a audição de uma testemunha ou daqueles que se encontram envolvidos no processo que está sendo julgado.

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2024 AF. Todos os direitos reservados.