Em Araguaína

Casa popular ocupada irregularmente é reintegrada e vai beneficiar outra família

Deusdete da Silva foi o primeiro a receber a moradia própria por meio de ação judicial.

Por Redação 3.179
Comentários (0)

26/02/2019 10h36 - Atualizado há 3 anos
A Prefeitura solicitará a reintegração de casas que não estão sendo usadas pelos beneficiários

A Prefeitura de Araguaína vai fazer um levantamento de todos os imóveis do programa Minha Casa Minha Vida que estão ocupados irregularmente, segundo o superintendente municipal da Habitação, Danilo Leite. Após a inspeção, o imovel com ocupação irregular poderá ser reintegrado, caso tenha sido vendido, alugado ou cedido.

Conforme o superintendente, as casas reintegradas serão entregues para as famílias que estão no cadastro reserva. Foi o que ocorreu com o vendedor ambulante Deusdete da Silva, de 40 anos. Essa foi a primeira reintegração por meio de ação judicial.

Eu esperei muito por isto, desde a construção do Lago Azul 1. Hoje, o que a família ganha vai tudo no sustento, não sobra nada. Eu pagava R$ 300 de aluguel e agora vou pagar só R$ 80 pela minha casa”, comentou o novo proprietário.
 
Natural de Teresina, no Piauí, o artesão acompanhou os pais e os irmãos até Araguaína em busca de uma vida melhor. A casa de dois quartos, sala, cozinha e banheiro será dividida com a mulher, seu filho, nora e neto.

Fiscalização

De acordo com o superintendente Danilo Leite, a Prefeitura realiza a fiscalização dos imóveis desde 2013 e as desocupações eram feitas somente quando as famílias aceitavam a saída.

Por meio administrativo, cerca 50 casas foram reintegradas e passadas para outras famílias do cadastro reserva”, informou o superintendente.

A reintegração do imóvel se deu após a 2ª Vara Cível e Criminal da Subseção Judiciária de Araguaína aceitar as informações da Prefeitura e expedir a reintegração de posse.
 
Segundo as regras do Programa Minha Casa, Minha Vida, os contemplados devem residir em seus respectivos imóveis, sob pena de rescisão do contrato firmado com a Caixa Econômica Federal.
 
Iremos fazer um levantamento de todas as casas que estiverem ocupadas irregularmente, ou seja, poderá perder o seu imóvel o beneficiário que não morar no imóvel e abandonar, vender, alugar, ceder ou emprestá-lo a outras pessoas, antes do prazo previsto por lei, de 10 anos”, afirmou Leite.

Artesão Deusdete da Silva

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2022 AF Notícias. Todos os direitos reservados.