ADI

Com voto de Gilmar Mendes, STF valida reeleição do presidente da Assembleia do Tocantins

Julgamento aconteceu no Plenário Virtual na noite da última sexta (17).

Por Redação 685
Comentários (0)

20/09/2021 14h57 - Atualizado há 1 mês
Mesa Diretora da Assembleia Legislativa do Tocantins

O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, por maioria, pela validade da reeleição do presidente da Assembleia Legislativa do Tocantins, deputado Antônio Andrade (PTB), após o ministro Gilmar Mendes apresentar um voto divergente ao do relator da Ação Direta de Inconstitucionalidade, ministro Ricardo Lewandowski.

O julgamento da ADI aconteceu no Plenário Virtual na noite da última sexta-feira (17/9).

O relator havia acatado a tese da ADI para que fosse declarada a inconstitucionalidade do trecho do artigo 15 da Constituição Estadual do Tocantins, que admite aos integrantes da Mesa Diretora da Assembleia a recondução para o mesmo cargo, na mesma legislatura.

Para Lewandowski, a norma diverge do artigo 57 da Constituição Federal, que veda a recondução da Mesa, no mesmo mandato, aos integrantes do Congresso Nacional. Ainda conforme o relator, a regra deve aplicar-se também no âmbito estadual. O voto de Lewandowski foi seguido pelos ministros Carmen Lúcia e Edson Fachin.

DIVERGÊNCIA 1

Contudo, o ministro Alexandre de Moraes abriu divergência parcial “para julgar procedente a ADI e fixar interpretação a fim de possibilitar uma única reeleição sucessiva aos mesmos cargos da Mesa Diretora da Assembleia”.

DIVERGÊNCIA 2

Porém, o voto vencedor foi apresentado por Gilmar Mendes, que acrescentou uma condição ao voto de Alexandre de Moraes: a impossibilidade de sucessivas reeleições, desde que após dezembro de 2020 - ocasião em que o STF poibiu a reeleição dos presidentes da Câmara e do Senado na mesma legislatura por meio da ADI 6.524.

Em seu voto, Gilmar Mendes fixou as seguintes teses:

(i) a eleição dos membros das mesas das Assembleias Legislativas estaduais deve observar o limite de uma única reeleição ou recondução, limite cuja observância independe de os mandados consecutivos referirem-se à mesma legislatura;

(ii) a vedação à reeleição ou recondução aplica-se somente para o mesmo cargo da mesa diretora, não impedindo que membro da mesa anterior se mantenha no órgão de direção, desde que em cargo distinto;  

(iii) o limite de uma única reeleição ou recondução, acima veiculado, deve orientar a formação das Mesas das Assembleias Legislativas que foram eleitas após a publicação do acórdão da ADI 6.524, mantendo-se inalterados os atos anteriores.

Os ministros Roberto Barroso, Rosa Weber, Dias Toffoli, Nunes Marques e Luiz Fux acompanham o voto de Gilmar Mendes. Assim, a reeleição do deputado Antônio Andrade será válida, pois o pleito aconteceu ainda em julho de 2020, antes, portanto, de dezembro de 2020, quando o STF proibiu a reeleição.

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2021 AF Notícias. Todos os direitos reservados.