Turismo

Concessão do Jalapão não inclui áreas privadas e quilombolas; secretário tira dúvidas

Serão concedidos apenas os serviços turísticos em terras públicas.

Por Redação
Comentários (0)

31/08/2021 09h27 - Atualizado há 2 meses
Áreas quilombolas e privadas não fazem parte do projeto

Foi sancionada recentemente a lei estadual nº 3.816, de 25 de agosto de 2021, que autoriza a concessão de serviços dos Parques Estaduais do Jalapão, Cantão, Lajeado e Monumento Natural das Árvores Fossilizadas, no Tocantins.

No Jalapão, serão concedidas à iniativa privada apenas as atividades que já são de responsabilidade do Governo do Tocantins, como os serviços turísticos e os de atendimento aos visitantes, prestados em áreas que são exclusivamente do Estado. Nessas áreas específicas, estão localizadas as dunas, a Serra do Espírito Santo e a Cachoeira da Velha.

O secretário de Parcerias e Investimentos, Claudinei Quaresemin, disse que o Naturatins continuará sendo o administrador do Parque Estadual do Jalapão. “O objetivo do projeto que estamos desenvolvendo para o Jalapão e o Cantão é melhorar os serviços prestados aos visitantes. Todas as pesquisas realizadas indicam que os visitantes não estão satisfeitos com os serviços oferecidos e que desejam melhores serviços e uma melhor estrutura”, explicou.

Conforme o secretário, se a concessão do Jalapão e do Cantão for aprovada, o setor privado é quem fará os investimentos para melhorar a estrutura e os serviços dos parques, sem custos para o Governo. “Com a concessão, o setor privado será o responsável por fazer todos os investimentos para melhorar os serviços e a estrutura de atendimento aos visitantes. Assim, ampliaremos a quantidade de turistas, dando mais oportunidades para todos os que vivem do turismo nessas regiões, além de gerar centenas de novos empregos diretos e indiretos”, esclarece Claudinei Quaresemin.

Como ficam as áreas particulares e as comunidades tradicionais?

Os serviços turísticos em áreas quilombolas e áreas privadas não fazem parte do projeto, pois eles não são prestados pelo Estado. O processo de concessão, se for aprovado, não vai interferir nos direitos e nas atividades dos proprietários de áreas privadas ou de comunidades tradicionais.

“Nesses locais específicos, tudo deve permanecer como está. A única diferença é que os proprietários também serão beneficiados com todas as melhorias que devem ser feitas na região. Eles serão beneficiados, por exemplo, com o incremento no número de turistas que também vão visitar os atrativos localizados nas áreas particulares, que vão até as comunidades tradicionais para conhecer a cultura e adquirir o artesanato do capim dourado. O objetivo é fazer com que todos sejam beneficiados. Ninguém será excluído do processo de desenvolvimento que o Estado quer levar para a região do Jalapão”, ratifica o secretário.

O que acontece agora?

O projeto que visa avaliar uma possível concessão dos serviços de turismo dos Parques Estaduais ainda está em fase de estudos de viabilidade econômico-financeira, ambiental, técnica e jurídica pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Após a conclusão, os estudos serão apresentados ao Governo do Tocantins e discutidos com todos os agentes públicos envolvidos no processo.

O Tocantins foi convidado a ingressar no Programa de Concessões de Parques Naturais do BNDES, em 2020. Este programa incluiu, na 1ª rodada, 15 parques em nove estados diferentes. Os Parques Estaduais do Jalapão e do Cantão estão no Programa.

A população será ouvida?

Depois de receber o estudo básico, o Estado fará a análise e as possíveis modificações. Em seguida, o projeto será submetido à avaliação pública, por meio de consultas e audiências.

“Nesta fase, o projeto não será apenas apresentado, a sociedade vai ter uma participação efetiva, dando suas sugestões. Todos terão total participação no processo para que, juntos, possamos aperfeiçoar e deixar a proposta ainda melhor”, explica o secretário Claudinei Quaresmin.

Depois dessa fase, o projeto será submetido aos órgãos de controle, como o Tribunal de Contas do Estado (TCE). Só após essas etapas é que o leilão para a concessão, na B3, em São Paulo, poderá ser realizado.

Parceria Público-Privada

Atualmente no Brasil, 77 projetos visam realizar parcerias com a iniciativa privada para a gestão em parques nacionais, estaduais e urbanos.

O setor privado, hoje, é responsável pela administração de 18 concessões em parques e unidades de conservação. Desse total, 11 contratos foram assinados nos últimos três anos. São sete concessões do governo federal, quatro de governos estaduais e sete de prefeituras.

Serão concedidos apenas os serviços turísticos prestados pelo Estado
Famosas dunas do Jalapão

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2021 AF Notícias. Todos os direitos reservados.