Guerra ao coronavírus

DPE aciona justiça para suspender decretos e manter isolamento em cidades do Tocantins

Três ações civis públicas foram ajuizadas nesta terça-feira, 31 de março.

Por Redação 1.003
Comentários (0)

01/04/2020 11h50 - Atualizado há 1 mês
Defensoria Pública do Tocantins (DPE)

A Defensoria Pública do Tocantins (DPE-TO) ajuizou Ações Civis Públicas contra os municípios de Porto Nacional, Miracema do Tocantins e Guaraí, com pedido de urgência, para suspender os decretos das prefeituras que flexibilizam as medidas de prevenção à pandemia do novo coronavírus (Covid-19), permitindo, por exemplo, a reabertura do comércio.

A Instituição disse que atua com base nas orientações das organizações nacionais e internacionais e saúde, que apontam que ainda não é o momento de se retomar os contatos sociais e as rotinas normais no comércio e em outras áreas profissionais, sendo exceção os serviços essenciais.

Porto Nacional

Em Porto Nacional, a 62 km de Palmas, a DPE pediu a suspensão do decreto municipal n.º 153, de 28 de março, que autorizou a retomada das “atividades do comércio em geral, aqui incluídos também os restaurantes, lanchonetes e lojas de conveniências”.

Na Ação, a Defensoria solicita, ainda, a revalidação do decreto anterior, nº 149, de 22 de março de 2020, que permitia apenas o funcionamento de serviços essenciais, garantindo o isolamento comunitário horizontal como forma de prevenção e combate ao Covid-19.

Apresentada nesta terça-feira (31), a ação pede, também, a aquisição pelo Município de kits de testagem rápida em quantidade suficiente para atendimento à população de Porto Nacional a fim de evitar a subnotificação da doença, além da aquisição de Equipamentos de Proteção Individual para os profissionais de saúde em quantidade suficiente para suportar a duração da pandemia.

A Defensoria ainda requer a aplicação de multa diária para a hipótese de descumprimento da decisão liminar, no valor de R$ 10 mil por dia. A ação é assinada pela defensora pública Kenia Martins Pimenta Fernandes, em atuação conjunta com os defensores Denize Souza Leite, Isabella Faustino Alves e Marcello Tomaz de Souza.

Porto Nacional é referência no atendimento da Saúde na região, que compreende ao menos outros 12 municípios, mas possui apenas uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) e um Hospital Regional sem leito de UTI, e não tem condições de suportar os danos advindos de uma disseminação agravada da Covid-19.

Conforme a DPE, a autorização para funcionamento do comércio representa estímulo à circulação de pessoas, que facilita o contágio e contraria as recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS) e do Ministério da Saúde acerca do isolamento social como medida primeira de prevenção à disseminação do vírus.

Porto Nacional atende pacientes dos municípios de Fátima, Brejinho de Nazaré, Ipueiras, Silvanópolis, Pindorama, Santa Rosa, Chapada de Natividade, Natividade, Ponte Alta do Tocantins e Mateiros.

Miracema do Tocantins

Também nesta terça (31), a DPE em Miracema do Tocantins protocolou uma ação a fim de revogar o decreto municipal nº 103/2020, emitido pela prefeitura local na última quinta-feira (26), autorizando o funcionamento de todo o comércio, a abertura de templos religiosos e possibilitando que a população saia do isolamento e volte às suas atividades normais.

A defensora pública Franciana Di Fátima Cardoso Costa destaca a necessidade de adotar o isolamento como medida de prevenção efetiva, visto que o hospital do município de Miracema, que alega que os dois únicos casos suspeitos na cidade foram descartados, atende a cerca de 70 mil pessoas de municípios vizinhos como Lajeado, Tocantínia, Rio dos Bois e Miranorte.

O hospital de Miracema tem funcionado, atualmente, com apenas dois respiradores e apesar de não haver casos registrados da doença, a cidade não suportaria uma infecção generalizada. “Miracema não possui nenhum caso registrado da doença, o que se decorre às medidas de prevenção tomadas inicialmente de forma segura e acertada”, afirmou a Defensora Pública.

Recomendada pela OMS o isolamento social horizontal tem sido, até o momento, a melhor forma para evitar a contaminação pelo novo coronavírus. O isolamento inclui atitudes simples como permanecer em casa, evitar aglomerações e caso seja necessário sair de casa manter uma distância segura de outras pessoas. Estas medidas diminuem o risco de contrair ou infectar os outros, caso tenha o coronavírus.

Guaraí

Proposta pelo defensor público Evandro Soares da Silva, na comarca de Guaraí, a outra Ação Civil Pública pede a suspensão do decreto municipal, nº 1.465/2020, de 27 de março, que decidiu afrouxar o isolamento na cidade.

O objetivo é inibir o quanto antes o grave risco à saúde, tanto dos clientes, quantos dos próprios prestadores de serviços. “Ao tirar as pessoas do isolamento, fará com que o vetor de transmissão do vírus se alargue a ponto do sistema de saúde da cidade não aguentar e entrar em colapso, condenando milhares de pessoas à morte, e trazendo em longo prazo muito mais prejuízos à economia do que os aparentes benefícios pretendidos pela volta do comércio neste momento de crise causado pela pandemia”, considerou o defensor público.

Em 19 de março, a Prefeitura de Guaraí expediu o decreto nº 1.462/2020, formalizando a situação de emergência em saúde pública no município, suspendendo por tempo indeterminado as atividades e os serviços não essenciais.

Entretanto, uma semana depois, o Município editou novo decreto, o nº 1.465/2020, que flexibilizando a suspensão das atividades do decreto anterior para praticamente todo o comércio da localidade.

De acordo com o defensor público Evandro Soares, a gestão pública municipal seguiu na contramão de tudo que vem sendo realizado para contenção e achatamento da curva de contaminação do Covid-19 após “o clamor do setor empresarial e laboral pela flexibilização do funcionamento das atividades econômicas”, cedendo à pressão sofrida por parte do setor empresarial guaraiense.

Nos argumentos para suspender a flexibilização proposta pelo Município, o Defensor Público destaca que Guaraí é cortado pela BR-153, uma das rodovias mais movimentadas do Brasil, recebendo, por isto, milhares de pessoas diariamente, de diversas regiões do País, fator que eleva a exposição a população local ao perigo de contaminação e alastramento do novo coronavírus.

Para o Evandro Soares, há notória subnotificação dos casos no Brasil e a Secretaria de Saúde de Guaraí não tem noticiado os casos suspeitos. ‘’Transpassa uma sensação de tranquilidade, quando na verdade, a omissão no diagnóstico traz em verdade uma situação que pode ser muito mais grave do que o noticiado na cidade e no Estado’’, afirma Silva.

O Defensor ressalta ainda que o Hospital Regional de Guaraí é referência para 14 municípios. ‘’Não é preciso ser um vidente para prever o caos que será quando centenas de pessoas estiverem precisando de UTIs, tendo que ser deslocadas até Palmas por meio de ambulâncias, etc. Sem contar que a Capital também já terá seus problemas oriundos da epidemia’’, presume.

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2020 AF Notícias. Todos os direitos reservados.