Improbidade administrativa

Ex-vice-governadora usava servidor para trabalhar no diretório do partido, diz MPE

Por Agnaldo Araujo
Comentários (0)

20/06/2018 11h19 - Atualizado há 1 semana
O Ministério Público Estadual pediu a condenação da ex-vice-governadora Cláudia Lelis por utilizar um servidor público do Estado para trabalhar na sede do seu partido, o PV. Lelis teve o mandato cassado pelo TSE juntamente com o ex-governador Marcelo Miranda por caixa dois na campanha eleitoral de 2014. A ação do MPE é por ato de improbidade administrativa de enriquecimento ilícito e dano ao erário. São réus também o servidor Emmanoel Marlon Pereira e a ex-secretária do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Semarh), Luzimeire Ribeiro de Moura Carreira. O MPE também pediu à justiça que os três sejam condenados ao ressarcimento de R$ 155.420,00. A ação é assinada pelo promotor de justiça Miguel Batista de Siqueira Filho, da 22º Promotor de Justiça da Capital. O caso Emmanoel Marlon está lotado na Semarh desde 10 de fevereiro de 2015 no cargo de de Assessor Especial XI AE-11, com a remuneração de R$ 4,2 mil. O MPE relata que recebeu uma denúncia anônima informando que ele não cumpria a jornada de trabalho na secretaria e um inquérito foi instaurado. Durante as investigações, o servidor não foi encontrado em sua residência e nem na secretaria no horário de trabalho. Um servidor da Semarh também confirmou que Emmanoel Marlon trabalhava na sede do Partido Verde. Outra servidora do mesmo setor também foi ouvida e declarou que não conhecia pessoalmente Emmanoel, somente de nome. Os investigadores solicitaram, então, a folha de ponto biométrica do servidor, referente aos anos de 2017 e 2018, e foi verificado que Cláudia Lelis encaminhava um ofício à Luzimeire Ribeiro todos os meses atestando a frequência de Emmanoel. Conforme o MPE, as frequências eram assinadas por Cláudia Lélis “corroborando assim a informação de que o referido servidor efetivamente não exercia sua função na Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos, mas sim no diretório do Partido Verde”. Para o órgão, a nomeação do servidor não visava a prestação de serviços na Semarh. “A nomeação do requerido tinha como objetivo atender os interesses do partido político da requerida Cláudia Lélis”, afirma.

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Nas Redes
Nosso Whatsapp
063 9 9242-8694
Nosso Email
redacao@arnaldofilho.com.br
Copyright © 2011 - 2018 AF Notícias. Todos os direitos reservados.