Condenado

Filho que fingiu ser policial para vingar morte do pai é condenado a quase 10 anos de prisão

Ele saiu do Goiás e contratou um comparsa por R$ 10 mil.

Por Redação 632
Comentários (0)

21/11/2023 12h28 - Atualizado há 4 meses
Promotor de Justiça Breno de Oliveira Simonassi

O conselho de sentença acatou as teses de acusação do Ministério Público do Tocantins (MPTO) e condenou Rodrigo Nunes Braz pelo crime de homicídio qualificado praticado contra João Batista Vieira Guedes. A sessão do tribunal do júri ocorreu em Miranorte nesta segunda-feira (20).

As alegações foram sustentadas pelo promotor de Justiça Breno de Oliveira Simonassi, integrante do Núcleo do Tribunal do Júri (MPNujuri) do MPTO.

Conforme apuração, em novembro de 2011, Rodrigo Nunes Braz saiu da cidade de Jaraguá (GO) para Miranorte, no Tocantins, com o intuito de vingar a morte do seu pai, Osmar Francisco Braz, supostamente assassinado por João Batista Vieira Guedes, em julho do mesmo ano.

No dia 29 de novembro, o réu e um comparsa, contratado pelo valor de R$ 10 mil, foram até a casa de João Batista. Com armas de fogo em punho, se apresentaram como policiais e deram ordem para que todos deitassem no chão. 

Com a vítima imobilizada, eles efetuaram diversos disparos contra João Batista, o que ocasionou sua morte.

Os jurados reconheceram que Rodrigo Nunes Braz é culpado. Dessa forma, cumprirá pena de 09 anos e 10 meses de reclusão em regime inicial fechado pela prática do crime de homicídio qualificado cometido por meio de emboscada. 

Rodrigo ainda poderá recorrer em liberdade.

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2024 AF. Todos os direitos reservados.