Justiça

Governo é obrigado a recontratar médica demitida durante a gravidez no Tocantins

Ela foi contratada para até 31 de maio de 2021, mas agora o prazo deve ser estendido.

Por Redação 574
Comentários (0)

24/09/2021 05h48 - Atualizado há 4 semanas
Mulher grávida

O pleno do Tribunal de Justiça do Tocantins (TJTO) decidiu, por unanimidade em julgamento de mérito, manter o vínculo profissional de uma médica que teve seu contrato com o governo do Estado rescindido em período de gravidez.

A decisão é do juiz José Ribamar Mendes Júnior, relator do mandado de segurança cível analisado na tarde desta quinta-feira (23/9) em benefício da médica Rafaela Alves Morais Resende.

Os réus são o secretário de Saúde do Estado do Tocantins, Luiz Edgar Leão Tolini, e a própria secretaria.

O magistrado determinou que o gestor “reestabeleça o vínculo da impetrante [médica], imediatamente, bem como que mantenha a remuneração da impetrante até cinco meses após o parto, isto é 19/02/2022, ou outra a ser definida quando do parto, sob pena de aplicação de multa”.

Ainda em seu despacho, o magistrado ressalta que decidiu com base no Supremo Tribunal Federal, que "pacificou o entendimento de que a estabilidade provisória da gestante se aplica às servidoras públicas e empregadas, incluídas as contratadas a título precário (artigo 37 da Constituição da República), independente do regime jurídico de trabalho".

"Deste modo, a estabilidade provisória se estende à servidora gestante ocupante de cargo em comissão, contratos com prazo determinado ou temporário, em respeito à dignidade da pessoa humana e ao princípio da proteção à maternidade, sendo-lhe garantida a indenização dos valores que receberia até o quinto mês após o parto, em caso de dispensa/exoneração", afirmou o juiz em seu voto.

Contrato de trabalho

O juiz relator do mandado de segurança descreve em seu voto que, conforme relatado, a médica firmou contrato de trabalho com o Estado em 1º de junho de 2019, em Palmas, com vigência até 31 de maio deste ano de 2021.

Ocorre que a impetrante [médica] descobriu que estava grávida, comunicando o Ente sobre o fato gravídico (...). Sustenta que em 31 de maio de 2021 o impetrado exonerou a impetrante, promovendo a rescisão do contrato de trabalho, ignorando, dessa forma, o estado gravídico e a consequente estabilidade que faz jus à impetrante”, diz. 

Clique aqui e veja o voto do relator do processo

O QUE DIZ A SAÚDE?

A Secretaria de Estado da Saúde (SES) informou, em nota, que ainda não foi intimada do acórdão do TJTO, porém, disse que a pasta já atendeu prontamente a decisão liminar, e a servidora foi recontratada, conforme publicado no Diário Oficial do Estado nº 5.881, de 07 de julho de 2021.

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2021 AF Notícias. Todos os direitos reservados.