Tocantins

Integrantes de facção que atearam fogo em ônibus cobraram 'fim da opressão' em carta, revela MPTO

O veículo queimado estava estacionado na garagem municipal.

Por Redação 1.037
Comentários (0)

08/06/2021 16h13 - Atualizado há 7 meses
Ônibus queimado

O Ministério Público do Tocantins (MPTO) requereu à Justiça, na tarde desta terça-feira (8), a decretação da prisão preventiva de Lucas Gomes Ribeiro e Jackson de Souza Soares. Os dois são acusados de atear fogo em um ônibus escolar da prefeitura de Lajeado no dia 11 de abril deste ano.

O veículo estava estacionado na garagem municipal, local onde foi deixada uma carta na qual integrantes de uma facção criminosa assumem a autoria do crime, em retaliação às supostas agressões sofridas por reeducandos internados em unidades prisionais do estado.

O promotor de Justiça João Edson de Souza lembra que o fato causou apreensão à população do município e ressalta que a prisão é medida que se faz necessária para a garantia da ordem pública, visto que, na carta, os acusados ainda ameaçaram continuar com os ataques.

O pedido será analisado pela Vara Criminal da Comarca de Miracema do Tocantins.

A CARTA 

Carta deixada pelos integrantes da facção

Ônibus queimado

 

As informações são do MPTO. 

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2022 AF Notícias. Todos os direitos reservados.