Tocantins

Médico é acusado de discriminar servidora transexual dentro de hospital em Palmas

Por Agnaldo Araujo
Comentários (0)

08/08/2018 17h24 - Atualizado há 2 anos
Um médico do Hospital Geral de Palmas (HGP) é suspeito de discriminar a presidente da Associação de Travestis e Transexuais do Estado do Tocantins (Atrato), Byanca Marchiori, nessa segunda-feira (06). Byanca é transexual e servidora do quadro da Saúde do Governo do Tocantins. Ela relatou que o ato discriminatório foi cometido pelo médico dentro de uma sala cirúrgica do HGP, na presença de um paciente que estava prestes a ser submetido a uma cirurgia. Em nota de repúdio, a Atrato relatou que o médico “entrou gritando e mandando Byanca sair da sala de cirurgia”. A nota continua afirmando que o médico teria se dirigido à servidora chamando-a de "rapaz", o que para a entidade é um sinal de “transfobia por não respeitar a identidade de gênero de Byanca”. DPE A Defensoria Pública do Tocantins solicitou ao Hospital Geral de Palmas (HGP) e a Secretaria Estadual da Saúde (Sesau), nesta quarta-feira (08), informações sobre o caso. Também recomendou que providências sejam tomadas para apurar denúncia de preconceito contra a servidora transexual. A Defensoria ainda oficiou a 1ª Delegacia de Polícia Civil de Palmas solicitando informações quanto ao andamento das investigações, já que a servidora registrou boletim de ocorrência. Os encaminhamentos foram feitos, de forma conjunta, pelos coordenadores dos Núcleos Aplicados das Minorias e Ações Coletivas (Nuamac) de Palmas e Araguaína, a defensora pública Letícia Amorim e o defensor público Sandro Ferreira. Nos documentos oficiais, a Defensora e o Defensor Público relatam que, conforme a denúncia, a servidora sofreu violação de direitos humanos com indícios de conduta preconceituosa por se tratar de uma mulher trans. A Defensora e o Defensor Público solicitam que o HGP e a Sesau informem ao Nuamac Palmas e Araguaína, em até cinco dias, sobre a situação denunciada e as providências que já foram tomadas. Informações Por meio dos Nuamacs, a Defensoria quer saber do HGP e da Sesau, entre outros questionamentos, se há por parte do médico denunciado, histórico de recusa de instrumentador cirúrgico ou equipe de enfermagem e, em caso positivo, sob qual motivação. Também há a solicitação de informação sobre registros de cancelamento ou suspensão de cirurgia em razão de recusa do médico acerca da equipe. Além disso, entre outras informações, a Defensoria quer saber se é permitido, por parte do HGP, que o médico responsável por uma cirurgia desqualifique a equipe designada pelo próprio Hospital na presença do paciente a ser operado, ampliando – dessa forma – o estresse emocional do usuário do Sistema Único de Saúde (SUS). A defensora pública Letícia Amorim e o defensor público Sandro Ferreira ainda recomendaram à Sesau e ao HGP que, caso ainda não haja procedimento interno para apurar os fatos, que seja instaurada uma sindicância.

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2020 AF Notícias. Todos os direitos reservados.