Araguacema

O chocante relato da mulher que fugiu pela mata após levar tiro de ex-marido no Tocantins

Caso ocorreu no Tocantins no início de 2021 e chocou a população local.

Por Redação 5.633
Comentários (0)

14/01/2021 12h35 - Atualizado há 1 semana
Ireni Almeida Chaves

Um caso bárbaro de violência doméstica ocorrido no início deste ano de 2021 gerou grande comoção na cidade de Araguacema, região oeste do Tocantins.

Na noite de 3 de janeiro, a dona de casa Ireni Almeida Chaves foi espancada pelo ex-companheiro, Jonas Britto Bukoski, com murros e pontapés. Logo em seguida, foi levada para um matagal, onde o homem tentou assassiná-la com uma espingarda.

O agressor disparou três vezes, mas a arma falhou nas duas primeiras tentativas. Na terceira, o tiro desferido a curta distância atingiu a cabeça da vítima. Mesmo baleada, a mulher conseguiu fugir, e o agressor ainda chegou a persegui-la, dizendo que “iria terminar o serviço com o facão”.

FUGA PELA MATA

Ireni caminhou cerca de 8 quilômetros no meio da mata fechada e lavouras da região. Ela contou que estava descalça e seus pés ficaram cortados. Para continuar a caminhar, ela dividiu o sutiã em dois e amarrou nos pés, improvisando calçados. Após quase 24 horas, chegou a uma estrada vicinal e foi ajudada por um casal que passava pelo local.

A vítima foi encontrada com o ferimento na cabeça, apresentando hematomas no olho direito, abdômen e nas pernas, além de escoriações e cortes por todo o corpo ocasionadas pela caminhada através da mata cerrada.

No vilarejo, várias pessoas se mobilizaram para socorrê-la e, enquanto esperavam a ambulância, o agressor chegou ao local procurando pela vítima e só não a encontrou porque moradores a esconderam.

LEVADA AO HOSPITAL

Após o episódio, ela foi levada ao Hospital de Araguacema e, depois, transferida para o Hospital Regional de Paraíso, onde recebeu os primeiros socorros. Os projéteis esféricos de chumbo ficaram alojados em sua cabeça e a vítima aguarda nova avaliação médica, que decidirá se ela será submetida ou não à cirurgia. Hoje Ireni se encontra com quadro de infecção tópica no local do tiro.

Testemunhas relataram que foram recebidas inúmeras ligações nos hospitais de Araguacema e Paraíso, nas quais o agressor dizia que era primo da vítima e que ela havia desaparecido na noite anterior, simulando preocupação e pedindo que os funcionários lhe avisassem imediatamente caso ela desse entrada no hospital.

Ireni contou à Polícia Civil que as agressões físicas e psicológicas ocorriam há vários anos e que o ex-companheiro já havia a ameaçado de morte, inclusive, em certa ocasião, depois de surrá-la, fez com que a vítima cavasse a própria cova, pois, iria matá-la a machadadas.

HOMEM ERA CASADO COM DUAS MULHERES

A vítima convivia em união estável com o agressor, que é casado com outra mulher. Segundo Ireni, quando descobriu que Bukoski era casado, tentou terminar o relacionamento, mas ele não aceitou o fim da relação.

O caso chama a atenção, pois há aproximadamente 9 anos, Bukoski obrigou tanto sua esposa quanto a vítima a conviverem juntas, sob o mesmo teto, alegando que não tinha condições de manter duas casas distintas. Desde então, as duas mulheres e os cinco filhos conviviam juntos e o agressor mantinha relacionamento amoroso com ambas. Entretanto, para a sociedade, o investigado apresentava Ireni como “prima” e a esposa como mãe dos quatro filhos menores.

SUSPEITO NEGA

O suspeito negou a autoria do crime e alegou que Ireni tinha problemas psiquiátricos e que ela estaria tentando lhe extorquir dinheiro.

Jonas Bukoski já foi preso e condenado duas vezes pela Justiça Federal do Rio Grande do Sul por circulação de dinheiro falso na região de Passo Fundo. Ficou preso 7 dias e foi solto mediante o pagamento de fiança no valor de R$ 9.330,00. A pena de 4 anos e 1 mês de reclusão foi substituída por prestação de serviços comunitários. Ele aguardava a realização de audiência admonitória para iniciar o cumprimento da pena, quando veio a praticar a tentativa de feminicídio.

A Polícia Militar chegou a efetuar diligências para localizar o agressor, contudo, ele evadiu da região num primeiro momento e, depois de alguns dias, apresentou-se na delegacia de polícia acompanhado de advogado para prestar depoimento.

POSSÍVEL ENGENHEIRO

Em redes sociais, Bukoski se apresentava como engenheiro agrônomo formado pela Universidade Estadual da Califórnia, mas, segundo a vítima, ela jamais viu o diploma da universidade americana e nem mesmo fotos da época em que ele teria estudado fora do país.

A investigação também apurou que Jonas Britto Bukoski é procurado pela Justiça Cível do Rio Grande do Sul para responder a diversos processos de cobranças de dívidas que, somadas, ultrapassam R$ 1 milhão, se atualizados os valores.

VÍTIMA ESCONDIDA

Ireni foi acolhida e atualmente está escondida, pois, o ex-marido está em liberdade, andando livremente pela cidade. Ela relata que desde os fatos, não viu mais as filhas, que permanecem na casa do ex-companheiro.

Quando foi levada para ser morta, a vítima saiu da casa trajando apenas um vestido e deixando a bolsa com seus pertences. Segundo a vítima, o ex-companheiro se recusa até mesmo a devolver seus documentos pessoais.

Ela relata ainda que após o crime, o ex-companheiro usou o telefone dela para trocar a senha do e-mail pessoal e redes sociais da vítima. Quando ela recuperou o acesso, constatou que foram apagadas inúmeras conversas privadas suas, e-mails, fotos e vídeos do casal, estando ele de posse e fazendo uso do aparelho telefônico dela.

APOIO DE MULHERES DA CIDADE

Irene ainda que, num primeiro momento, após sair do hospital, pensou em retirar a queixa e fugir da cidade por temer que, em represália, ele atentasse contra a vida da filha mais velha.

Mas, depois de ser acolhida e receber o apoio de conhecidos, além de assistência psicológica e jurídica, ela se encorajou a prestar novo depoimento à Polícia Civil, dando detalhes dos fatos e o histórico das agressões que sofreu. Ela gravou um vídeo que circulou nas redes sociais relatando o sofrimento e as dificuldades da vida que levava.

SOLIDARIEDADE

Solidarizadas com a situação de Ireni, mulheres da cidade de Araguacema criaram grupos nas redes sociais e mobilizam uma manifestação para o próximo dia 14, em frente à delegacia e ao Fórum para pedir a prisão do agressor. A advogada Fernanda Martins Silveira é uma das pessoas que se sensibilizou com o caso. 

Grupos com cerca de 600 participantes discutem formas de prestar ajuda à dona de casa para que ela possa se tornar independente economicamente do ex-companheiro e lutar na justiça pela guarda das filhas e ter condições de cria-las sem a ajuda dele.

ATUALIZAÇÃO SOBRE O CASO

A Polícia Civil comunicou, nesta quinta-feira (14), a prisão preventiva do agressor. Veja a matéria abaixo.

Mulher levou tiro na cabeça
Marcas de agressões
Caso ocorreu no início de 2020

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2021 AF Notícias. Todos os direitos reservados.