Emoção

Polícia Civil do Tocantins promove reencontro de pai e filha separados há 39 anos

O encontro foi marcado por um longo e fraterno abraço, sob muitas lágrimas.

Por Redação 1.530
Comentários (0)

10/11/2018 12h52 - Atualizado há 3 dias
Reencontro entre pai e filha após quatro décadas

"Emocionante". Assim foi descrita a cena do reencontro protagonizado por pai e filha, separados há quase quatro décadas.

A reaproximação de Pedro Lopes de Oliveira e Eliete Alves de Oliveira aconteceu na manhã de sexta-feira (9), na sede da Delegacia de Combinado, região sudeste do Tocantins, sob aplausos de policiais, autoridades e população local.

As investigações sobre o paradeiro do pai foram iniciadas a partir de um telefonema da filha, que mora em Ibotirama (BA). Segundo ela, o pai poderia residir na região da circunscrição da Delegacia de Combinado. Com as informações, a Polícia Civil iniciou as diligências e localizou Pedro em Brasília (DF).

Posteriormente, a equipe de policiais civis organizou o reencontro na sede da unidade em Combinado (TO). Pedro deslocou-se de Brasília e Eliete do Estado da Bahia. Os parentes, de família humilde, prepararam-se para o importante momento, marcado por um longo e fraterno abraço, sob muitas lágrimas.

Nas palavras do delegado Diego Camargo Mariano de Brito, o momento foi ímpar em sua atuação profissional. "Ficamos uma semana empenhados em descobrir o paradeiro daquele pai desaparecido. Nós, como policiais civis, não apenas combatemos diariamente a criminalidade, mas também estamos preocupados com o bem estar da família, na sua vertente dignidade”, ressaltou.

Separação

Pedro Lopes de Oliveira teria mantido relação afetiva com a mãe de Eliete Alves de Oliveira no final dos anos de 1970, mas após desentendimentos do casal, a mãe, Euvíria Alves da Silva, mudou-se levando a criança. Desde então, a mãe impossibilitou o contato entre pai e filha, omitindo registro de seu nascimento para que mantivesse desconhecidas as informações sobre sua origem biológica.

Segundo Eliete, a mãe teria começado um novo relacionamento amoroso e sendo, ambos, brancos, e a filha mulata, o sentimento de não pertencimento à família só aumentava. O sonho de reencontrar o pai sempre esteve presente, ainda mais após a mãe abandonar-lhe, chegando ela a contratar detetives particulares para descobrir o endereço do pai e recebeu a informação errônea de que ele havia falecido. Eliete seguiu sua intuição e entrou em contato com a Polícia Civil no Tocantins.

A legislação nacional reconhece o estado de filiação como um direito personalíssimo do indivíduo, sem prazo para ser exercido e como instrumento de efetivação do princípio constitucional da dignidade da pessoa humana.

Comentários (0)

Mais Notícias

Eleições OAB-TO

Célio percorre o Bico do Papagaio e promete ampliar estrutura da OAB na região

Candidato citou como prioridade a construção da sede própria da OAB em Araguatins.

Qualificação no campo

Alunos recebem capacitação de inclusão digital ofertada pelo Senar em Dueré

A capacitação é ministrada na Unidade Móvel e está dividida em 3 turmas.

Aniversário de 60 anos

Com Laurez em Gurupi, Carlesse fala em 'esquecer vaidades e trabalhar juntos'

A fala do governador foi durante assinatura de uma ordem de serviço para reforma de um ginásio.

Porto Nacional

Curso de Doma Racional é realizado durante a ExpoNacional através do Senar

Os alunos aprendem sobre o comportamento do animal, o perfil do domador e equipamentos utilizados.

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Nas Redes
Nosso Whatsapp
063 9 9242-8694
Nosso Email
redacao@arnaldofilho.com.br
Copyright © 2011 - 2018 AF Notícias. Todos os direitos reservados.