Bandeirantes

Prefeitura fecha escolas na zona rural e revolta moradores; Defensoria leva caso à Justiça

Uma das unidades estava em funcionamento há mais de 40 anos.

Por Redação 1.314
Comentários (0)

20/01/2023 15h59 - Atualizado há 1 ano
Cidade de Bandeirantes

A Defensoria Pública do Tocantins (DPE-TO) ajuizou, nesta quinta-feira (19/01), uma ação contra a Prefeitura de Bandeirantes visando a reabertura de duas escolas públicas municipais que ficam na zona rural da cidade.

A ação, com pedido liminar, consistente na imposição de obrigação de fazer, solicita ao Executivo de Bandeirantes que providencie, imediatamente, a reabertura das Escolas Municipais Vereador Osmar Francisco Gonzaga, situada no distrito de distrito de Brasilene (Cantão), e Nossa Senhora da Conceição, que fica no distrito de Martinópolis.

A ação demanda, ainda, que haja a completa reintegração de todo o corpo técnico necessário para o funcionamento das unidades, como diretor(a), pedagogo(a), coordenador(a), professores, merendeiras; assim como a disponibilização de equipamentos, materiais pedagógicos e o fornecimento regular de transporte escolar e alimentação.

Ofícios

Conforme apurado pela defensoria, as unidades escolares foram fechadas sem justificada formal pela gestão municipal de Bandeirantes, inclusive com ausência de apresentação de plano para fechamento. Com base nisso, a DPE-TO, em atuação anterior à ação judicial, oficiou a Secretaria de Obras e a de Educação do Município.

Por meio dos documentos, foram requisitadas informações sobre o fechamento das escolas, os prazos de início e término das obras nas unidades, os planos de realocação dos alunos e do corpo docente, assim como sobre a oferta de transporte escolar para os professores. Entretanto, até o momento, nenhuma resposta foi fornecida.

Comunidade insatisfeita

A partir de estudo psicossocial e pedagógico da Equipe Multidisciplinar da DPE-TO junto às comunidades afetadas, foi detectada a total insatisfação da população rural com o fechamento das escolas municipais.

Segundo relatado, todos os alunos das unidades desativadas foram realocados para a zona urbana, despertando a insegurança de pais e responsáveis em autorizar a ida dos estudantes no transporte público escolar sob a alegação de que o ônibus escolar encontrar-se em más condições de uso.

Diante desta situação, foi constatado que muitas famílias estão optando por enviar as crianças para morarem com parentes em outras cidades para evitar a exposição dos alunos aos supostos riscos oferecidos durante os deslocamentos.

As unidades escolares

De acordo com os levantamentos realizados pela DPE-TO, a Escola Municipal Vereador Osmar Francisco Gonzaga foi fechada em meados de agosto de 2022, sendo que a unidade estava em funcionamento há mais de 40 anos, atendendo à comunidade local com a oferta de turmas de Educação Infantil e do Ensino Fundamental I e II, contemplando, aproximadamente, 80 alunos.

Já a Escola Municipal Nossa Senhora da Conceição, situada no distrito de Martinópolis, foi fechada no início do ano de 2022 e era um estabelecimento escolar do campo que atendia cerca de 50 crianças.

De acordo com a comunidade local, a unidade é, também, considerada um patrimônio cultural, visto que era a única instituição que promovia interação social coletiva por meio de eventos, além de funcionar há muitos anos.

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2024 AF Notícias. Todos os direitos reservados.