Na Assembleia

Sindicato dos Médicos quer substituir nome do pai de Carlesse em novo hospital regional

Os indicados são Colemar Cerqueira, Gilberto Resende e João Neves.

Por Redação 697
Comentários (0)

19/09/2020 09h10 - Atualizado há 1 mês
Hospital Geral de Gurupi em construção

O Sindicato dos Médicos do Tocantins (SIMED-TO) reivindicou que o nome do pai do governador Mauro Carlesse, Ivo Carlesse, seja substituído por o de um médico que atuou em Gurupi em projeto que dá nome ao Hospital Geral da cidade, o HGG, ainda em construção.

Três profissionais já foram indicados via ofício ao deputado professor Júnior Geo (Pros), presidente da Comissão de Educação, Cultura e Desporto da Assembleia Legislativa. São eles Colemar CerqueiraGilberto Resende RochaJoão Neves de Paula Teixeira. (Veja os perfis de cada um no fim da matéria).   

O nome de Ivo Carlesse dado ao hospital consta em projeto de lei apresentado pelo deputado Olyntho Neto (PSDB) e tem por finalidade homenagear o pai do governador.

O vice-presidente do SIMED, Danilo Felix Daud, destacou boa vontade na proposta de homenagem ao pai do governador, agricultor e pai de 7 filhos, mas destacou que Ivo Carlesse é natural de Promissão (SP), onde nasceu em 1931, é desbravador do Paraná e faleceu aos 43 anos, em 1974, quando sequer existia o Estado do Tocantins.

"O SIMED-TO reivindica que o homenageado seja um profissional de saúde com a vida dedicada ao atendimento da população de Gurupi e região, a exemplo da homenagem feita ao Dr. Francisco Ayres da Silva, que denomina o Hospital Geral de Palmas (HGP)", diz.

Conforme o Simed, os três médicos indicados se fixaram em Gurupi após formados e dedicaram suas vidas à saúde dos gurupienses, da população vizinha e do Tocantins.

Perfil dos médicos indicados, conforme o sindicato

Colemar Cerqueira

Nascido em Natividade no dia 16 de março de 1938, Colemar Rodrigues de Cerqueira se formou em medicina na terceira turma da Universidade Federal de Goiás (UFG) e se estabeleceu em Gurupi em 1968 na condição de médico pioneiro na cidade. Atendia todo a população, principalmente aos mais carentes, o que fez tornar-se um médico muito conceituado e respeitado em toda sociedade gurupiense e região.

Pediatra de formação, Colemar Cerqueira exercia com muita capacidade a clínica geral e atuava como cirurgião. Sua dedicação o fez torna-se diretor do Hospital Delfino Aguiar e na antiga sede da Osego (Organização de Saúde do Estado de Goiás).

Médico concursado pelo Estado do Tocantins e prefeitura de Gurupi, sua carreira e reconhecimento popular lhe garantiu também um mandato como vereador em Gurupi, entre 1993 e 1996.

Colemar também exerceu a medicina em postos de saúde municipais e no Hospital Materno Infantil, hospital onde sofreu um Acidente Vascular Cerebral Hemorrágico (AVCH) em março de 2000, quando chegava ao plantão.

Foi casado com a advogada Mirian Fernandes Cerqueira, procuradora-geral da Câmara Municipal de Gurupi, com quem teve 3 filhos: os advogados Marcelo Rodrigues de Cerqueira e Márcio Rodrigues de Cerqueira e o médico Ricardo Rodrigues de Cerqueira.

Ele faleceu em 2 de setembro de 2018, sendo velado e homenageado na Câmara Municipal em Gurupi.

Gilberto Resende Rocha

Gilberto Resende Rocha (1931-1990) foi um médico clínico-geral e oftalmologista, conhecido pela competência e pelo amparo aos mais pobres. Nasceu em Carolina (MA) no dia 7 de junho de 1931, filho de Maria Resende Rocha e Joaquim Florêncio da Rocha. Casado com Maria dos Passos Rocha, teve dois filhos: Gilma dos Passos Rocha e Gilberto Resende Rocha Filho.

Passou sua infância e adolescência em Porto Nacional e formou-se em Medicina pela Faculdade Nacional de Medicina da Universidade do Brasil, hoje Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), em 1959.

No início dos anos 60, instalou-se em Gurupi, então Norte de Goiás, onde foi seu primeiro médico. Com a ajuda de outros pioneiros, construiu o Hospital Delfino Aguiar, onde atendia, além da população de Gurupi, pessoas necessitadas de comunidades vizinhas, bem como pacientes oriundos do sul do Pará acometidos principalmente por malária.

Até o início dos anos 80, a saúde pública era quase inexistente em Gurupi, onde uma parcela pequena da população pagava do próprio bolso por consultas, exames e cirurgias. A maioria, sem dinheiro, contava com a caridade do médico Gilberto Resende Rocha, que, embora procurado por toda classe de doentes, dava, contudo, preferência aos mais pobres e indigentes.

João Neves de Paula Teixeira

João Neves de Paula Teixeira nasceu em Santo Ângelo (RS), em 29 de outubro de 1950, filho de Osvaldina de Paula Teixeira e Jaime Neves Teixeira, e se formou em medicina pela Faculdade Católica de Pelotas, em 1979.

Mudou-se para o norte de Goiás antes da criação do Tocantins, obtendo o registro de nº 94 no Conselho Regional de Medicina (CRM-TO) no dia 15 de maio de 1989, dois meses após o conselho ser criado, tornando-se um dos médicos pioneiros no Estado.

O médico faleceu aos 70 anos vítima de complicações da covid-19 no dia 28 de julho de 2020 e deixou um legado de coragem e compromisso ético com os pacientes e colegas de profissão.

Neves atuava como legista, na função de médico perito, no 7º Núcleo Regional de Medicina Legal em Gurupi desde outubro de 2003. Ele também era concursado como médico no Hospital de Referência de Gurupi desde julho de 1994.  

O médico também fundou a Academia Gurupiense de Letras (AGL) no dia 30 de novembro de 1999 e ocupava a cadeira nº 11. Ele também fez parte da primeira diretoria da AGL, como suplente do Conselho Fiscal.

No matrimônio com Maria das Graças Teixeira, ele deixou três filhos: Yoshana Neves Teixeira, que abraçou a profissão do pai e é médica, Darjan Neves Teixeira, autônomo, e Shuiene Neves Teixeira, estudante.

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2020 AF Notícias. Todos os direitos reservados.