Norte do Estado

Sindicato pede CPI da Educação e chama prefeito de 'desumano' em Axixá; gestor ataca em nota

Acordos feitos em março não foram cumpridos até agora.

Por Redação 1.022
Comentários (0)

13/06/2020 10h05 - Atualizado há 2 meses
Cidade de Axixá

O Sindicato dos Servidores da Educação de Axixá do Tocantins, norte do estado, divulgou uma nota de repúdio contra o prefeito Damião Castro na qual critica a demissão de profissionais em plena crise do coronavírus e afirma que irá recorrer à justiça.

A entidade também pede à Câmara de Vereadores a abertura de uma CPI para investigar irregularidades supostamente praticadas pela gestão municipal na área da educação.  

A insatisfação do sindicato com a gestão Castro se agravou após uma reunião realizada no dia 31 de março deste ano com a presença do prefeito e da secretária de Educação do município, Maria Claudete.

Segundo o sindicato, a reunião teve como pauta principal a antecipação das férias escolares devido à pandemia. No encontro, ficou acordado o período de 1º de abril até 1º de maio, e o pagamento do terço das férias seria efetuado até o dia 10 de maio para todos os servidores da educação. Além disso, ficou definido sobre o pagamento do acordo referente ao retroativo do piso nacional, desde fevereiro.

Contudo, o sindicato afirmou que os acordos não foram cumpridos e criticou a "lentidão" da gestão na concessão das progressões funcionais.

"Queremos uma justificativa, uma explicação sobre o porquê não foram realizados os devidos pagamentos nas datas previstas e acordadas, sendo que durante esse período não houve gastos com transporte escolar, uma vez que as aulas estão suspensas", disse.

O sindicato também afirmou que a 'insensibilidade' da atual gestão diante da crise é muito grande, principalmente por demitir os funcionários contratados da educação. “Ele [o prefeito Damião Castro], de forma covarde e desumana, deixa esses pais e mães de família sem poder garantir alimento para suas casas”, frisou.

PREFEITO ATACA LÍDER SINDICAL

Em nota divulgada nas redes sociais, o prefeito Damião Castro rebateu as críticas e atacou diretamente a presidência do sindicato. Segundo ele, mesmo com as aulas suspensas devido à pandemia, está mantendo em dia a folha de pagamento, apesar de os recursos terem diminuído bastante, "ficando assim muito defícil cumprir 100% das despesas, no entanto todos serão pagas".

"Devido a certas atitudes do sindicato exponho minha indignação a presidente do sindicato (deixando claro que não sou igual a você e nem a outro gestor que você lembra), indignação essa por usar o sindicato (professores) para fazer politicagem e no intuito de tentar desistabilizar a atual gestão, já que até agora não vi o sindicato procurar o município ou a Secretaria Municipal de Educação para debater sobre a educação municipal, também ainda não vi a presidente sequer se preocupar com os alunos da rede municipal de ensino", disparou Damião Castro.

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2020 AF Notícias. Todos os direitos reservados.