Mães Reais

'A maternidade no dia a dia é ardilosa, dá trabalho', diz mãe ao relatar sua intensa rotina

Técnica de enfermagem busca conciliar seus diversos papéis.

Por Redação
Comentários (0)

05/05/2022 11h56 - Atualizado há 1 semana
Jeane Lopes é mãe de dois filhos

A terceira personagem da série “Mães reais” é a servidora pública e técnica em enfermagem Jeane Lopes, de 37 anos, casada e mãe de dois filhos: o pequeno João Aurélio, de 4 anos, e a Laura Sofia, de 9 anos. As entrevistas mostram histórias de mulheres que vivenciam a maternidade em meio aos preconceitos, desafios na gestão do tempo e o autocuidado.

Jeane mudou-se para Araguaína com o marido Marcos Aurélio, vindo do Maranhão, após ser convocada como técnica de enfermagem do Hospital Regional, no concurso público do Estado.  Na cidade, ela fez amigos, comprou uma casa e dois anos depois decidiu com o marido construir uma família.

Segundo a técnica de enfermagem, por meio da maternidade, foi possível descobrir um sentido novo para tudo que já havia vivido. “Quando colocaram aquele ser tão pequeno no meu colo, descobri que nunca havia amado alguém na vida e daquele dia em diante tudo o que eu quis é cuidar e proteger”.

Desafios emocionais

Quando a primogênita Laura Sofia estava com 30 dias, diante das responsabilidades e dos desafios em ser mãe, Jeane relembra que teve um princípio de depressão pós-parto. “Houve momentos bem críticos, um deles minha filha estava chorando com cólica, eu havia dado remédio, amamentado, fiz tudo o que podia, até que fui para sala e deixei ela chorando”.

O marido percebeu a situação, ofereceu suporte fundamental para o quadro não evoluir e no processo de adaptação. “Ele acalentou nossa filha, fez ela dormir e depois veio me acalmar, pois eu só sabia chorar, eu achava que não daria conta de cuidar dela”.

Maternidade no dia a dia

Jeane trabalha em uma jornada de 12 por 36 horas, enquanto está no hospital conta com o apoio de uma babá e durante as suas folgas busca conciliar os diversos papéis sociais que ocupa, tarefa desafiadora para ela.

Quando estou no hospital desempenho a função de técnica de enfermagem, mas em casa tenho que limpar, arrumar os meninos, fazer comida, ser esposa e ter meu autocuidado. A maternidade no dia a dia é ardilosa, dá trabalho”.

Paixão em cuidar

Além do tempo com a família, é no serviço que a técnica de enfermagem reabastece as energias e se sente realizada como mulher. Aos 3 anos de idade, Jeane teve o corpo queimado enquanto brincava com uma vela. Na época, as chances de sobreviver às queimaduras eram raras, foram necessários seis meses de internação hospitalar.

Atualmente, ela carrega cicatrizes no rosto e braços do acidente, mas sobretudo a certeza do que nasceu para fazer. “Acredito que foi nessa fase que desenvolvi interesse em atuar na área da saúde, nunca tive medo de sangue e sempre fui aquela pessoa que fazia os curativos dos amigos e familiares. Eu amo minha profissão”.

Jeane teve o corpo queimado enquanto brincava com uma vela.

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2022 AF Notícias. Todos os direitos reservados.