Araguaína

'Pandemia veio para darmos valor ao abraço', diz mãe que atua no combate à covid-19

O jeito de encarar essa saudade foi pensar positivo e repensar a vida.

Por Redação 1.162
Comentários (0)

01/06/2020 09h39 - Atualizado há 2 meses
Janaína Barreira e as filhas

Janaina Barreira dos Santos de Farias, 35 anos, só tem visto as filhas e a mãe por telefone e acenos pela janela do carro quando vai para casa após 36 horas de trabalho. O distanciamento é a maneira encontrada para manter quem ama mais seguro.

A última homenageada da série ‘Mães que Salvam’ é técnica de enfermagem no anexo covid da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) e também atua no Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU 192).
 
Desde o início da pandemia, em março, Janaína começou a distanciar da casa da mãe, onde passava os finais de semana e feriados, e também das filhas, para diminuir as chances de contaminação. “A gente que trabalha na saúde, por mais que se proteja, fica com receio, vai que acontece alguma coisa”, disse.
 
As filhas Miriam e Ana Gabriela, 16 e 7 anos, ainda passam alguns dias em casa, mas sem contato. “Minha menor é exigente e me cobra: ‘mamãe, se eu não posso te abraçar, era melhor nem ter vindo’”, relatou Janaína. Já o contato com a mãe, Luzia, é apenas digital. “Tenho pais idosos, com 65 anos, minha mãe é hipertensa e diabética, do grupo de risco, e isso me deixa muito emotiva”, afirmou.
 
O jeito de encarar essa saudade foi pensar positivo e repensar a vida. “Essa pandemia veio para unir as pessoas, para valorizar quem está perto, valorizar as pessoas que amamos, as pequenas coisas, como abraços. São nelas que a gente encontra o sentido da vida e por vezes deixamos escapar”, destacou.
 
Vida de enfermeira

Na UPA há 11 anos, Janaína já passou por diversos setores e hoje atende quem mais precisa de socorro nos leitos de suporte avançado. Ela também foi a segunda mulher a pilotar uma motolância do Samu, onde está há dois anos. “Estive por três anos consecutivos na sala vermelha na UPA, a gente atende os casos mais graves, mas a rotina é totalmente diferente com a covid-19”, ressaltou.
 
Depois dos turnos nas duas unidades, que somam 36 horas, Janaína toma um banho na unidade e vai para casa, mas chegando ainda precisa de mais meia hora para descansar. “Tiro meu sapato e roupa, higienizo com hipoclorito e lavo. Tomo um banho na ducha do corredor e só depois posso entrar em casa. Antes, já tinha a atenção com sapato e roupa, mas era menos”, detalhou.
 
Atenção para dias melhores

Janaína gosta da casa cheia, de receber amigos e não vê a hora de abraçar os pais e filhas, como fazia antes, e sabe que para isso é preciso que todos participem. “A mensagem que deixo é que se mantenham em isolamento o máximo que puder, o vírus existe e a doença é grave. Vamos usar máscaras, higienizar as mãos e produtos antes do consumo. As precauções são as melhores armas”, finalizou.

(Marcelo Martin)

'Minha menor é exigente', disse Janaína

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2020 AF Notícias. Todos os direitos reservados.