Enfermeira que mandou matar o ex-marido engravida na prisão e ganha liberdade

Agnaldo Araujo - |
Foto: Divulgação
Enfermeira Marcela Moreira Leal

Márcia Costa//AF Notícias 

A enfermeira Marcela Moreira Leal, de 33 anos, deixou o Presídio Feminino de Babaçulândia nessa quarta-feira (1º) após decisão judicial.

Ela foi condenada pelo Tribunal do Júri a mais de 17 anos de prisão acusada de contratar um pistoleiro, por R$ 4 mil, para matar o ex-marido, o vendedor Tone Ramos. O crime ocorreu no dia 30 de abril de 2012, na Avenida Filadélfia, em Araguaína.

Marcela foi presa em maio de 2014 após uma longa investigação da Polícia Civil. Mesmo na prisão, a enfermeira iniciou um novo relacionamento, engravidou e, por isso, ganhou a liberdade.

Com 8 meses de gravidez, a enfermeira cumprirá prisão domiciliar até a criança completar seis meses de vida.

A decisão é do juiz Fabiano Ribeiro, da Comarca de Filadélfia, com base em recente decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que beneficia presidiárias que estejam grávidas ou que tenham filhos de até 12 anos. O Ministério Público Estadual emitiu parecer contrário à soltura de Marcela.

Para o promotor de Justiça Leonardo Gouveia Olhe Blanck, a enfermeira planejou a gravidez. “Que não apenas engatou um novo relacionamento, mas planejou a gravidez sabendo da restrição de sua liberdade“, diz no parecer.

O promotor ainda alertou para a possibilidade de que outras reeducandas engravidem dentro da prisão “para que tenham no feto a chave da liberdade”.

Comentários pelo Facebook: