Sobral – 300×100
Seet

Masterboi diz que ‘ficou surpresa’ com operação que investiga pagamento de propina por frigoríficos

Agnaldo Araujo -
Foto: Divulgação
O frigorífico Masterboi é uma das empresas investigadas pela Polícia Federal

O frigorífico Masterboi afirmou, por meio de nota, que em seus 16 anos de existência “sempre pautou suas atividades no respeito à legislação e aos seus consumidores, repudiando qualquer tipo de ato ilícito“. A empresa afirmou ainda que “se coloca à disposição da Justiça para esclarecer todos os fatos”.

A Polícia Federal cumpriu mandados de buscas e apreensão na sede do frigorífico Masterboi, em Araguaína, na manhã desta terça-feira, 16. A ação é parte da Operação Lucas, que foi deflagrada nesta terça-feira e investiga corrupção de fiscais que recebiam propinas de frigoríficos.

Ainda na nota, a Masterboi afirmou que ficou surpresa com as notícias divulgadas a partir da deflagração da operação da PF e que ainda está tomando conhecimento sobre os detalhes da ação.

Além de buscas no Masterboi, a PF também cumpriu mandados em frigoríficos nas cidades de Gurupi, Palmas, Augustinópolis e Paraíso do Tocantins. Durante a operação, a ex-superintendente substituta do Ministério da Agricultura no Tocantins, Adriana Carla Floresta Feitosa, foi presa em Palmas.

A Polícia Federal identificou, por meio de quebras de sigilos fiscal e bancário, que a Chefe de Fiscalização do MAPA, à época dos fatos, recebia de empresas fiscalizadas valores mensais para custear despesas familiares. Apenas em sua conta pessoal a investigação identificou a diferença de mais de 200% do declarado em seu imposto de renda. Também foi detectado que o esquema criminoso movimentou cerca de R$ 3 milhões, entre os anos de 2010 a 2016.

Veja mais

Polícia Federal faz busca e apreensão nos frigoríficos Minerva e Master Boi e prende ex-fiscal em Araguaína

Comentários pelo Facebook: