Plano de carreira dos servidores da saúde de Araguaína está atrasado há quatro anos, afirma sindicato

Agnaldo Araujo - | - 506 views
Foto: Ascom
Os farmacêuticos cobram uma audiência com Dimas para tratar do PCCR

O Sindicato dos Farmacêuticos do Estado do Tocantins (Sindifato) intensificou as cobranças em prol da implementação do PCCR da saúde pela Prefeitura de Araguaína (TO). Atrasado desde 2013, quando o atual prefeito, Ronaldo Dimas (PR), criou uma comissão para elaboração do plano que, até hoje, ainda não apresentou projeto à Câmara Municipal, o Plano de Cargos, Carreiras e Salários é um grande anseio de todas as categorias de saúde e também dos farmacêuticos que trabalham para o município.

Recentemente, o Sindifato participou de uma reunião em Araguaína com vários outros sindicatos da área da saúde para discutir uma estratégia conjunta de cobrar o município para que o plano efetivamente seja implementado.

“Nossos colegas de Araguaína aguardam esse plano há muitos anos. O atual gestor prometeu e começou a criar forma de implementá-lo, mas depois os trabalhos pararam e os farmacêuticos e demais servidores só acumulam prejuízos”, destacou o presidente do Sindifato, Pedro Henrique Goulart Machado Rocha.

Descontentes, o Sidifato, o Seet (Sindicato dos Profissionais de Enfermagem do Estado do Tocantins) e o Sicideto (Sindicato dos Cirurgiões Dentista do Estado do Tocantins) realizaram um ofício reivindicando uma reunião urgente com o prefeito de Araguaína para tratar o tema.

Jornada de trabalho

Outra luta do Sindifato para os farmacêuticos da rede municipal de Araguaína é a fixação da jornada de seis horas diárias, como determina a legislação vigente no Brasil. Sobre esse tema, o presidente Pedro Henrique e o secretário-geral do Sindifato, Renato Soares Pires Melo, discutiram com cerca de 30 colegas.

No encontro, que serviu para aproximar ainda mais o sindicato dos profissionais do interior, foi nomeada uma comissão com quatro delegados do Sindifato para acompanhar o andamento da implementação do PCCR e da jornada de seis horas no município. Essa comissão tem os seguintes componentes: Marcos Henrique Martins de Sousa, Wellington Dias Marinho, Weulenberg Viana Santana e Joseane Rodrigues Monteiro.

Convenção Coletiva

Ainda em Araguaína, o Sindifato fez uma ação de defesa da categoria que trabalha no setor privado. Repetindo o que já ocorre em Palmas, os dirigentes do sindicato promoveram uma série de visitas às farmácias da cidade na qual fizeram esclarecimentos sobre a CCT 2016-2017 (Convenção Coletiva de Trabalho 2016-2017) do Comércio Varejista de Medicamentos.

Entre outros pontos, a convenção prevê o piso salarial mínimo de R$ 3.750,00, a jornada de oito horas diárias com descanso semanal remunerado aos sábados, domingos e feriados, sobre a jornada de plantonista com limite de 12 horas por plantão com valor de R$ 21,22 por hora trabalhada, 11 horas de descanso mínimo intrajornada e escala de revezamento quinzenal que favoreça o repouso dominical remunerado.

“Esse contato com os farmacêuticos do interior do Estado será rotineiro e direto. Não vamos deixar de defender os interesses da categoria aonde quer que seja dentro do Tocantins”, salienta Renato Melo. (Ascom)

Comentários pelo Facebook: