Direto ao Ponto

Arnaldo Filho

redacao@afnoticias.com.br

Palmas

Enquanto trabalhadores são demitidos, Comitê de Palmas faz 'reunião para marcar reunião'

O comércio de Palmas está fechado há mais de um mês.

Por Arnaldo Filho 940
Comentários (0)

24/04/2020 08h46 - Atualizado há 4 meses
Ônibus estão parados em Palmas e funcionários cumprem aviso prévio

A crise causada pela pandemia decorrente da covid-19 já chegou à empresa concessionária do transporte público de Palmas, Expresso Miracema. Tendo que circular com a capacidade reduzida – a metade dos usuários sentados – e, por consequência, arrecadando menos, as primeiras demissões já ocorreram. 

De um total de 600 servidores, dentre os quais motoristas, mecânicos, borracheiros e auxiliares administrativos, 100 deles já cumprem aviso prévio neste mês de abril. Caso não haja um reequilíbrio do contrato da concessionária, a previsão é que a partir de maio, outros 300 também percam seus empregos, colocando tais famílias em total e completo desespero. 

Risco de falência

Os efeitos negativos dessa situação foi levado à tribuna da Câmara Municipal de Palmas pelo vereador Lúcio Campelo (MDB), na sessão da quinta-feira (23). Segundo o parlamentar, a empresa tem experimentado grande prejuízo financeiro para atender as exigências do Decreto municipal nº 1863 e pode encerrar suas atividades.

Campelo destacou as dificuldades da empresa em se manter sem apoio do poder público. "Palmas precisa custear o serviço para que a empresa possa atender essas recomendações. A concessionária está tendo mais gastos e arrecadando muito menos, já que tem que circular com os ônibus praticamente vazios. O prejuízo em abril foi de dois milhões, em maio é a mesma previsão”.

Sob a alegação de que a empresa corre risco de fechar suas portas, o vereador emendou: “Meu apelo é para que o Comitê de Enfrentamento ao Covid-19 possa colocar recursos para atender também as demandas do setor de transporte. Todo transporte de Palmas está comprometido, correndo o risco de paralisar totalmente. A responsabilidade do transporte público é do poder publico, pois foi ele que fez concessão”, pontuou o emedebista.

Comitê da Crise é composto apenas por cúpula do 1º escalão

A prefeita Cinthia Ribeiro (PSDB) tem sido constantemente criticada no parlamento palmense, até mesmo por parlamentares que fazem parte da sua base de sustentação, com Lúcio Campelo, por exemplo. 

O Comitê, criado para dar soluções rápidas para situações emergenciais decorrentes da pandemia, é composto apenas por secretários municipais, não contando com nenhum representante da Câmara Municipal, nem tampouco da indústria e comércio ou mesmo da sociedade civil organizada. 

Há mais de 20 dias, o Comitê tem se reunido – ao que parece – para marcar outra reunião, pois até a presente data não se chegou a um consenso sobre a reabertura do comércio em Palmas.

O presidente do Comitê Gestor, Thiago Marconi, secretário de Planejamento e Desenvolvimento Humano disse que já recebeu mais de 50 empresários dos mais diversos setores, porque precisa ouvi-los para ter segurança na tomada de decisões e implementação do Plano Estratégico de Descontingenciamento.

Quase um mês e nada foi resolvido. O comércio não reabriu, não recolheu impostos, demitiu funcionários e o Comitê parece que dorme em berço esplêndido. 

Voltando ao transporte coletivo, num momento em que todos procuram formas de minimizar os efeitos da crise econômica causada pelo coronavírus, a mobilidade urbana é o que tem de mais vital para o comércio e para os serviços públicos essenciais.  

Pouca sensibilidade ante ao iminente transtorno social

Uma cidade com 300 mil habitantes, sem transporte coletivo, transformar-se-á rapidamente, no completo caos. É necessário que os entes públicos municipais estejam atentos às necessidades da população – para definir não apenas as tarifas e questões relativa à quantidade de veículos – mas também zelar para que o concessionário não experimente prejuízos exagerados, levando à falência. 

Crônica do caos anunciado

O problema é que, segundo fontes, nem o Comitê de Crise e muito menos a prefeita de Palmas estariam dialogando com os diretores da concessionária do transporte público. Prospecta-se que a empresa é muito rica, já ganhou 'rios de dinheiro' e pode esperar. Ao que parece, vão esperar o 'circo pegar fogo' para depois tentar apagar o incêndio. 

Comitê de Crise em Palmas

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2020 AF Notícias. Todos os direitos reservados.