Direto ao Ponto

Arnaldo Filho

redacao@afnoticias.com.br

Análise do cenário

Quatro fatores deixam Cinthia Ribeiro em vantagem sobre os 11 concorrentes em Palmas

Resta saber se conseguirá beneficiar-se do ambiente favorável que o destino lhe reservou.

Por Arnaldo Filho 1.124
Comentários (0)

30/09/2020 15h44 - Atualizado há 2 semanas
Prefeita Cinthia Ribeiro (PSDB) tenta a reeleição na Capital

Faltando 45 dias para a eleição, talvez ainda seja cedo para o exercício da "futurologia", mas o certo é que algumas ocorrências podem facilitar a vida da atual prefeita de Palmas, Cinthia Ribeiro (PSDB).

O primeiro fator é o excessivo número de candidatos. Além da própria gestora, 11 candidaturas foram registradas. Em cidades onde não há o segundo turno de votação, como é o caso da capital, essa pulverização de votos indica - historicamente - que o beneficiado é quase sempre o ocupante da cadeira de prefeito.

Pandemia deve contribuir com a abstenção eleitoral

Outra situação também deve ser considerada: a provável abstenção eleitoral em razão da pandemia. Se na eleição de 2016, o percentual de votantes foi 84,42% (145.487 votos), a abstenção foi de 15,58% (26.857 votos), em tempos de pandemia, é provável que esse último percentual chegue 20%.

Em 2020, o número de eleitores aptos a votar na capital é 180.524. Se, hipoteticamente, 20% não comparecerem às urnas, cerca de 36 mil votos serão descartados logo de início. Aliado a isso, se considerarmos os percentuais históricos de eleições anteriores, cerca de 2,5% dos eleitores votarão "em branco" e 7% nulo. Neste caso, serão mais 17 mil votos sem efeito prático. Assim sendo, se somados 36 mil + 17 mil, cerca de 53 mil votos não seriam computados para nenhum candidato.

Dessa forma, seriam apenas 127 mil votos em disputa. Entretanto, nas eleições de 2016, foram cerca de 135 mil votos válidos. À época, o então candidato Carlos Amastha (PSB) obteve 68.634 votos, que representou 52,38% dos contabilizados. Logicamente, com menos votos válidos, aliado ao maior número de candidatos, o próximo prefeito da capital será eleito com menos votos do que em 2016. Isso também favorece Cinthia Ribeiro.

Servidores satisfeitos, votos garantidos

O terceiro fator está atrelado à cooptação - mesmo que pela via indireta - dos servidores públicos municipais. Utilizando a velha tática do ex-governador Marcelo Miranda (MDB), a prefeita Cinthia trouxe o funcionalismo para o seu lado ao conceder progressões e evoluções salariais, como também, pagar os vencimentos mensais rigorosamente em dia e, muitas vezes, de forma antecipada.

A prefeitura emprega aproximadamente 11 mil concursados, 2 mil contratados e cerca de 1 mil comissionados. São 14 mil servidores, portanto. Se 70% deles votassem na gestora, já seriam aproximadamente 10 mil votos. Aliado a isso, se os familiares desses mesmos servidores adotarem o voto útil, a votação praticamente dobra. 

Obras com recursos da CAF podem ser a "cereja do bolo"

A última e preponderante circunstância favorável é a série de investimentos na cidade. Beneficiada por um empréstimo junto a CAF - Cooperativa Andina de Fomento, na ordem de U$ 60 milhões de dólares (R$ 337.800,00 na cotação de 30/09/20), a prefeita transformou a cidade num canteiro de obras.

A duplicação da Avenida NS-10 e o asfaltamento de várias quadras residenciais tendem a fazer diferença a favor da prefeita. É incontroverso: a população beneficiada tem a tendência natural de votar no gestor que lhe beneficiou, independente do partido, simpatia ou outras ocorrências. Esse eleitor não quer saber se os recursos são oriundos do tesouro municipal ou de empréstimos que causarão impacto na saúde financeira do município. O que interessa - para eles - é que a obra foi feita e os benefícios chegaram.

Céu de Brigadeiro: basta saber pilotar a "aeronave"

À "boca miúda" comenta-se que a prefeita teria que fazer muito esforço, como também ser "muito artista" para perder uma eleição diante de todas estas circunstâncias. 

Os mesmos "pitaqueiros de plantão", em tom de exagero, também brincam que Cinthia "só perderia a política" se a Polícia Civil ou Federal baixasse no apartamento dela, em razão de alguma operação policial. Exageros à parte, Cinthia tem a "faca e o queijo" na mão. Resta saber se conseguirá beneficiar-se do ambiente favorável que o destino lhe reservou.

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2020 AF Notícias. Todos os direitos reservados.