Direto ao Ponto

Arnaldo Filho

redacao@afnoticias.com.br

Política

Reviravoltas geram especulações sobre os rumos do MDB de Palmas: com Lelis ou Cinthia?

Não será surpresa se Marcelo Miranda reviver a parceria com o PV de Lelis.

Por Arnaldo Filho 1.228
Comentários (0)

10/09/2020 11h31 - Atualizado há 1 mês
Presidentes estadual e metropolitano do MDB, Marcelo Miranda e deputado Valdemar Júnior

A Carta Aberta do ex-prefeito de Palmas, Raul Filho (MDB), informando que não conseguiu a decisão judicial que traria segurança jurídica à sua candidatura, abre um leque de possibilidades. O MDB aguardava por essa sentença. Uma das líderes do partido, a deputada federal Dulce Miranda, inclusive, já havia deixado claro que Raul Filho só seria candidato pelo partido se não houvesse entraves jurídicos.

Em suma, se a TRF da 1ª Região não se posicionou até o momento, o melhor e mais sensato é mesmo procurar outra alternativa.

A volta de Marcelo Miranda expõe, de vez, os fragmentos

Mas nas entrelinhas, a pergunta é: para onde vai o MDB? Abalado pela troca no comando do partido, uma vez que o ex-governador Marcelo Miranda reassumiu a sigla nessa quarta-feira (9), a trilha a ser seguida pelos ‘modebas’ nas eleições de 2020 em Palmas, ainda é uma incógnita.

Não é segredo para ninguém que o MDB sempre foi cheio de alas e fragmentos. Basta verificar as recentes ocorrências no diretório de Gurupi, para constatar que há vários grupos dentro do MDB tocantinense. Por lá, os vereadores de mandato não queriam a dissolução do diretório, para acompanhar a candidatura a prefeito do ex-presidente Walter Junior, hoje no PSD; outro grupo quer entregar o partido ao pré-candidato Gutierres, sobrinho do prefeito Laurez Moreira; enquanto outros – por antigos laços de afinidade – querem entregá-lo ao grupo da ex-deputada federal Josi Nunes. Na verdade, o que eles chamam de democracia, é na verdade, um “balaio de gatos”.

Não será surpresa se Marcelo Miranda reviver a parceria com o PV de Lelis

Mas especificamente em Palmas, há várias nuances, diante do regresso de Marcelo Miranda ao cargo de presidente estadual, cumulado com a desistência de Raul Filho.

O ex-governador tem fortes ligações com o PV, presidido pela deputada estadual Claudia Lelis, que era sua vice-governadora. Há compromissos e elos entre ambos, firmados quando ainda governavam o Estado do Tocantins e isso também não é segredo. A parceria PV/MDB é antiga e não seria surpresa se Marcelo Miranda encaminhasse o partido – e os três vereadores de mandato (Rogerio Freitas, Lucio Campelo e Diogo Fernandes) – para uma aliança com o pré-candidato do PV, Marcelo Lelis.

Se Gomes emplacar aliança com Cinthia, o que fazer com o DEM?

Por outro lado, não se pode desprezar a força do senador Eduardo Gomes, o maior líder do presidente no Congresso Nacional. Atualmente, é o político tocantinense de maior expressão.

E se Gomes insistir em levar o MDB para a chapa prefeita Cinthia Ribeiro (PSDB)? Essa possibilidade não está descartada, visto que a influência de Gomes na Executiva nacional do partido é algo que não pode ser desconsiderado.

Mas, neste caso, cria-se outro problema para ser decidido rapidamente: no caso do MDB apoiar Cinthia, certamente a vaga de candidato a vice-prefeito será pleiteada. O que fazer com o DEM, presidido pela deputada Professora Dorinha, que já recebeu a garantia da vaga de vice?

Enfim, esse jogo de articulações e especulações só vai se encerrar em 16 de setembro, data final das convenções partidárias.

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2020 AF Notícias. Todos os direitos reservados.