Operação Replicantes

'Decisão justa', diz advogado sobre soltura de dono de gráficas mediante fiança de R$ 1 milhão

Franklin é acusado de participar de um esquema que desviou aproximadamente R$ 30 mi dos cofres públicos entre 2015 e 2016

Por Nielcem Fernandes 1.659
Comentários (0)

14/01/2020 11h45 - Atualizado há 1 semana
O empresário foi solto justiça determinar pagamento de fiança de R$ 1 milhão

O empresário Franklin Douglas Alves Lemes deixou a Casa de Prisão Provisória (CPP) de Palmas nesta segunda-feira (13) após passar mais de dois meses encarcerado. Ele foi preso durante a operação Replicantes da Polícia Federal.

O empresário é apontado como dono do Grupo Exata e também das gráficas WR e Prime. Franklin é acusado de participar de um esquema que teria desviado aproximadamente R$ 30 milhões dos cofres públicos entre 2015 e 2016.

Decisão

Franklin ganhou liberdade após a justiça fixar uma fiança de R$ 1 milhão. A prisão foi revogada pelo juiz federal substituto João Paulo Abe, da 4ª Vara Federal de Palmas. Além do pagamento da fiança, a justiça determinou o recolhimento do passaporte do empresário e o proibiu de se ausentar da capital por período superior a 10 dias, sem autorização.

Para conceder a liberdade ao empresário, o juiz levou em conta o seu estado de saúde e alegou que em liberdade ele não seria capaz de prejudicar o andamento das investigações.

Defesa

Em nota, a defesa do empresário concordou com a decisão da justiça e afirmou que seguirá com a mesma estratégia. “A decisão foi justa e de acordo com a explanação de sua circunstância ao juiz da causa. A defesa continuará a sua estratégia priorizando a lealdade ao juízo durante todo o processo”, diz a nota assinada pelo advogado Daniel Gerber.

A defesa informou à imprensa que a família está se organizando para fazer o pagamento o mais rápido possível e que o empresário já está em casa.

Réus

Além do empresário, outras nove pessoas também se tornaram réus, entre elas o ex-governador Marcelo Miranda (MDB) e seu irmão José Edmar Brito Miranda Júnior que continuam presos. O ex-governador está em uma sala do Estado Maior no Comando Geral de Polícia Militar em Palmas. Já seu irmão segue na Casa de Prisão Provisória (CPP) da capital.

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2020 AF Notícias. Todos os direitos reservados.