Fundeb

Jorge Frederico reforça pedido de 14º salário; professores terão bônus de R$ 6,5 mil no ES

No Tocantins, Wanderlei estuda a possibilidade de pagar um 14º salário.

Por Redação | AF Notícias 3.271
Comentários (0)

07/12/2021 17h12 - Atualizado há 1 mês
Professora e alunos em sala de aula no Tocantins

Cerca de 14 mil profissionais da rede estadual de ensino do Estado do Espírito Santo devem receber abono salarial de R$ 6,5 mil. O anúncio da premiação foi realizado pelo governador do estado, Renato Casagrande (PSB), nesta terça-feira (7/12).

Os recursos a serem utilizados para o pagamento desses profissionais serão retirados do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb). Apenas os servidores que recebem pelo Fundo 70 terão direito ao abono.

Um projeto de lei será encaminhado a Assembleia legislativa do Espírito Santo para autorizar o benefício. A data do pagamento aos servidores ainda não foi definida. 

TOCANTINS

No Tocantins, o governador interino Wanderlei Barbosa estuda a possibilidade de conceder um 14º salário aos profissionais da Educação do Estado. O anúncio foi feito durante discurso no município de Miracema do Tocantins, nesta segunda-feira (6).

A ideia do governador é utilizar os recursos acumulados na conta do Fundeb devido à suspensão das aulas em todo estado por causa da pandemia de covid-19.

VEJA MAIS 

Nesta mesma ocasião, Wanderlei também anunciou que pretende pagar as datas-bases e progressões a profissionais da Educação, e que vai investir na aquisição de novos mobiliários e na melhoria da estrutura física das unidades escolares.

“A determinação desse Governo é que os profissionais da Educação sejam reconhecidos, porque sei da importância dessa categoria”, frisou o governador.

DEPUTADO SOLICITA BÔNUS

Na mesma direção, o deputado estadual Jorge Frederico (MDB-TO) solicitou ao Governo Estadual, nesta terça-feira (7/12), que destine a verba excedente aos profissionais da educação, como uma forma de reconhecimento à importância destes profissionais. A medida é popularmente conhecida como 14º salário.

Jorge Frederico embasa a solicitação na Lei do novo FUNDEB (n° 14.113/2020) que estabelece que 70% da receita do FUNDEB deve ser exclusiva para a valorização e carreira dos profissionais da educação e os 30% para pagamentos e gastos com manutenção de ensino. A lei também diz que não é permitido que mais que 10% da receita fique em caixa. Este ano, o Tocantins recebeu o valor aproximado de R$ 855 milhões. 

“É necessário valorizarmos o indispensável trabalho que realizam, e também impulsionar a economia neste fim de ano.  O rateio das sobras do FUNDEB, além de legal, é necessário para que se cumpra a Lei na aplicação dos recursos”, defendeu Jorge Frederico.

SINTET

Por outro lado, o sindicato da categoria, o Sintet, pede que o Governo do Estado priorize o pagamento dos passivos atrasados da educação, tais como datas-bases e progressões.

VEJA MAIS 

“Toda valorização é válida, o trabalhador precisa e merece ser valorizado, porém a categoria precisa receber os direitos atrasados, pois os direitos refletem na carreira, corrigindo as tabelas do Plano de Carreira do Magistério”, disse o presidente do Sintet, José Roque Santiago.

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2022 AF Notícias. Todos os direitos reservados.