Caso Jardins Siena

Policial que atirou contra caminhonete pede desculpas e fala em 'absoluto e sincero arrependimento'

Caso ocorreu em um condomínio de luxo e teve grande repercussão negativa.

Por Conteúdo AF Notícias 2.143
Comentários (0)

22/02/2024 16h33 - Atualizado há 1 mês
Policial disse que está à disposição para reparar os danos causados

O escritório Fávaro, Sousa e Holz Advogados Associados assumiu a defesa do agente da Polícia Civil do Distrito Federal, Fábio Ribeiro da Silva, que atirou contra uma caminhonete dentro do condomínio Jardins Siena, em Araguaína, após um desentendimento de trânsito, na última segunda-feira (19). Duas pessoas estavam no veículo.

Em nota enviada ao AF Notícias, a defesa afirmou que esse episódio é um evento “absolutamente isolado” na vida do policial e que ele está colaborando com a devida apuração dos fatos e responderá por sua conduta no devido processo legal.

A defesa também afirmou que o agente expressa “absoluto e sincero arrependimento e pedido de desculpas pelo sofrimento causado tanto ao condutor e passageiro do veículo que sofreu o dano como a todos os moradores do condomínio residencial, colocando-se à disposição para a imediata reparação dos danos causados”.

A nota ainda ressalta que, logo após a ocorrência dos fatos, o agente deslocou-se sozinho até a Central de Atendimento da Polícia Civil, onde apresentou-se e comunicou o fato aos policiais civis que estavam de plantão, sendo registrado boletim de ocorrência.

Confira a nota na íntegra

"Considerando a ampla repercussão do caso envolvendo disparos num condomínio residencial de Araguaína no dia 19/02/2024, a defesa constituída pelo investigado divulga a seguinte nota.

 Ao sair do local da ocorrência, de forma absolutamente espontânea, o investigado prontamente deslocou-se sozinho à Central de Atendimento da Polícia Civil situada em Araguaína, apresentou-se e noticiou o fato aos policiais civis que estavam de plantão no dia, sendo registrado boletim de ocorrência. Também de forma espontânea, renunciou a seu direito constitucional de silêncio e prestou declarações do ocorrido à autoridade policial do plantão, descrevendo com exatidão sua conduta.

Quando a Polícia Militar compareceu ao local da ocorrência, o investigado já havia se deslocado espontaneamente à Central de Atendimento da Polícia Civil para noticiar e narrar sua conduta.

O fato é evento absolutamente isolado na vida do investigado, que está colaborando com a devida apuração dos fatos e responderá por sua conduta ao devido processo legal.

Sem prejuízo das responsabilidades legais que lhe serão atribuídas, o investigado expressa absoluto e sincero arrependimento e pedido de desculpas pelo sofrimento causado tanto ao condutor e passageiro do veículo que sofreu o dano como a todos os moradores do condomínio residencial, colocando-se à disposição para a imediata reparação dos danos causados.

MARCIO ADRIANO C. DE SOUZA - OAB/TO 7.241

WANTUIL LUIZ C. HOLZ - OAB/TO 9117-B"

Veja também

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2024 AF. Todos os direitos reservados.