Tocantins

Delegado-Geral é alvo de investigação por se declarar 'pessoa carente' em processo

O inquérito foi instaurado pela da 8ª Promotoria de Justiça de Gurupi.

Por Redação 2.553
Comentários (0)

29/05/2019 07h49 - Atualizado há 3 meses
Delegado-Geral de Polícia Civil do Tocantins

O Delegado-Geral de Polícia Civil do Tocantins, Rossílio Sousa Correia, passou a ser alvo de investigação do Ministério Público Estadual (MPE) por ter firmado declaração de 'pessoa carente' para obter assistência judiciária gratuita através da Defensoria Pública Estadual.

O inquérito foi instaurado nesta terça-feira (28) pelo promotor Roberto Freitas Garcia, da 8ª Promotoria de Justiça de Gurupi, após a denúncia ser veiculada na imprensa e repercutir nas redes sociais. A OAB-TO também cobrou esclarecimentos.

A investigação visa apurar eventual prática de ato de improbidade administrativa por parte do delegado-geral. O promotor também vê indícios de crime de falsidade ideológica (artigo 299 do Código Penal).

O Delegado-Geral recebe salário bruto de quase 30 mil, sendo R$ 15.595,23 líquido, conforme dados extraídos do Portal da Transparência do Estado do Tocantins. Mesmo assim está sendo assistido gratuitamente pela Defensoria Pública numa ação de retificação de registro civil (autos nº 0000374-61.2019.827.2705, em trâmite na Comarca de Araguaçu/TO).

A ação é para inclusão da etnia Kanela no registro civil de 170 indígenas, sendo um deles o delegado-geral.

O MPE cita que a Defensoria é órgão destinado a prestar assistência judiciária de forma integral e gratuita aos necessitados, ou seja, os que comprovarem insuficiência de recursos.

Além disso, o promotor relata que tomou conhecimento de que o Delegado-geral é ex-esposo de uma Defensora Pública e pode ter se valido dessa condição para persuadir membro da Defensoria Pública a ajuizar temerariamente uma ação em proveito próprio.

O promotor afirma que tais práticas podem caracterizar ato de improbidade administrativa que atentam contra os princípios da administração pública. Caso as irregularidades sejam comprovadas, o Delegado-Geral deve ser denunciado à Justiça.

PROVIDÊNCIAS ADOTADAS

O MPE requisitou à Defensoria Pública informações sobre a data em que o delegado efetuou seu cadastro perante esta instituição, bem como cópia de todos os documentos fornecidos por ele e o nome do Defensor Público ou servidor que prestou atendimento. A promotoria questiona também quais os critérios usados para definir ou conceituar pessoa necessitada ou carente. A DPE tem 10 dias para responder.

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2019 AF Notícias. Todos os direitos reservados.