Agrícola

Empresa que ateou fogo em plantação de cana é multada em R$ 1,2 milhão no Tocantins

Fogo foi utilizado na plantação sem autorização do Naturatins.

Por Redação
Comentários (0)

11/06/2021 08h18 - Atualizado há 1 semana
Fogo em canavial

O Conselho Estadual do Meio Ambiente (Coema) declarou improcedente o recurso interposto por uma empresa agrícola que pedia a anulação de decisão do Instituto Natureza do Tocantins (Naturatins), o qual autuou a empresa pela prática de incêndio a uma área de 1.189,51 hectares e lhe impôs multa no valor de R$ 1.190.000,00.

A sessão de julgamento acatou manifestação do Ministério Público do Tocantins (MPTO) e foi realizada nesta quinta-feira (10).

O Conselho Estadual de Meio Ambiente é responsável por deliberar em última instância as apelações contra decisões do Naturatins, de forma que não cabe novo recurso por parte da empresa autuada. O MPTO atuou enquanto integrante do Coema, ao pedir vistas dos autos e apresentar manifestação pelo improvimento do recurso. 

Conforme o auto de infração do Naturatins, o fogo foi utilizado em uma plantação de cana-de-açúcar sem autorização do órgão ambiental, com a finalidade de facilitar o processo de colheita. A prática ocorreu no ano de 2015, no mês de agosto, quando os riscos de incêndio aumentam em razão do clima seco e da baixa umidade. Além de queimar a lavoura, o fogo atingiu propriedades vizinhas e se estendeu também pela vegetação do cerrado, que foi incendiada em 863 hectares.

A equipe de fiscalização do Naturatins foi acionada pelo promotor de Justiça Rafael Pinto Alamy e chegou no empreendimento a tempo de flagrar o incêndio. No dia seguinte, os técnicos retornaram ao local e constataram a colheita da cana, confirmando a finalidade irregular do uso do fogo.

O promotor de Justiça Rafael Pinto Alamy relembrou o caso e descreveu que, todos os anos, a região sofria com renitentes queimadas da palhada da cana-de-açúcar, sendo que a promotoria recebia inúmeras denúncias sobre os fatos para adoção de providências contra as queimadas e os incêndios florestais resultantes dessa prática criminosa.

No parecer pela manutenção da decisão do Naturatins, o MPTO considera: “São mais de uma centena de páginas de um Auto de Infração que tramitou de 2015 a 2020 no órgão ambiental, com relatórios técnicos, fotos, mapas indicando as coordenadas e locais das queimadas, depoimentos, reportagens, defesas e termos de depoimentos, extraídos de suposto boletim de ocorrência. Logo, inexiste qualquer nulidade ou vício no procedimento que tenha cerceado o direito de defesa da apelante”.

O parecer acrescenta: “Além disso, os agentes de fiscalização apontaram rotas do fogo e sua correlação com a colheita da cana, a omissão das equipes da brigada interna e a cadeia de comando da atividade, corroborando com a utilização residual da queimada da palha da cana para fins agroindustriais”.

A manifestação no Coema foi apresentada pelo promotor de Justiça Francisco Brandes Júnior.

As informações são do MPTO.

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2021 AF Notícias. Todos os direitos reservados.