Santa Rita do Tocantins

Ex-prefeito é condenado à prisão por doar área pública de R$ 500 mil a amigo de infância

A área foi destinada à construção de um posto de combustíveis.

Por Redação 944
Comentários (0)

10/10/2019 17h02 - Atualizado há 5 dias
Santa Rita do Tocantins

O ex-prefeito de Santa Rita do Tocantins Arthur Caires Maira foi condenado por cometer crime contra a Lei de Licitações ao doar uma área pública de 19.600 metros quadrados a um amigo de infância, sem licitação.

O beneficiário da doação, o empresário Milton Silva Chagas, também foi condenado. A ação penal foi movida pelo Ministério Público do Tocantins (MPTO).

O imóvel localiza-se às margens da BR-153 e está avaliado em cerca de R$ 500 mil. Com a doação, a área foi destinada à construção de um posto de combustíveis.

PRISÃO SUBSTITUÍDA POR PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

O ex-prefeito foi condenado a pena de três anos de detenção em regime aberto, que foi substituída por penas restritivas de direito, por ele ser réu primário e ter-lhe sido aplicada pena inferior a quatro anos. Assim, terá que prestar serviços à comunidade ou a entidades públicas por três anos; cumprir pena de prestação pecuniária de três salários-mínimos, destinada a uma entidade beneficente; e pagar multa de R$ 10 mil.

O empresário Milton Silva Chagas também foi condenado a pena de três anos de detenção em regime aberto, igualmente substituída pela prestação de serviços e pela prestação pecuniária de três salários-mínimos.

DOAÇÃO ILEGAL

Conforme a sentença, para a transferência de bem público é necessário interesse público justificado, autorização prévia da Câmara, avaliação de valor e licitação na modalidade concorrência.

No caso deste imóvel, as formalidades legais não foram cumpridas, pois a doação do bem público visou benefício direcionado para a empresa de Milton Silva Chagas, segundo avalia o magistrado na sentença.

A denúncia criminal contra os réus foi proposta pelo promotor de Justiça Vinícius de Oliveira e Silva, em abril de 2018. A sentença condenatória foi proferida pelo juiz Alessando Hofmann Teixeira Mendes no último dia 9 de setembro. Ainda cabe recurso da decisão.

Em outra ação judicial, da esfera civil, o Ministério Público do Tocantins tenta reverter a doação do imóvel público, bem como aplicar aos réus as penas por ato de improbidade administrativa.

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2019 AF Notícias. Todos os direitos reservados.