Decisão STJ

Farmacêutico acusado de mandar matar advogado Danilo Sandes deixará prisão e irá para casa

Conforme o MPE, o farmacêutico contratou um grupo de extermínio pelo valor de R$ 40 mil.

Por Redação 4.234
Comentários (0)

18/08/2019 09h37 - Atualizado há 1 mês
Farmacêutico sairá da CPPA

O ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Jorge Mussi, concedeu prisão domiciliar ao farmacêutico Robson Barbosa da Costa, acusado de mandar matar o jovem advogado Danilo Sandes. A decisão aponta que não há cela especial para detentos com curso superior na Casa de Prisão Provisória de Araguaína (CPPA).

O advogado foi morto no final de julho de 2017 por se recursar a fraudar um processo de inventário no valor de R$ 7 milhões, que beneficiaria o farmacêutico.

Conforme a decisão do STJ, publicada na sexta-feira (16), o acusado deve cumprir prisão domiciliar até que o Estado providencie “prisão especial ou cela distinta dos presos comuns”.

O advogado Wendel Oliveira, que defende o farmacêutico, argumentou que ele estava “sofrendo constrangimento ilegal” por estar em estabelecimento destinado a presos comuns, muito embora tenha direito à prisão especial por possuir diploma de ensino superior.

Em resposta ao STJ, o juiz responsável pelo caso em Araguaína informou que a Unidade Prisional está dividida em três pavilhões com quatro celas cada, sendo todas coletivas, e que a casa de prisão não disponibiliza de espaço para cela especial.

Diante disso, flagrante a ilegalidade a que está submetido o acusado, fazendo-se necessária, em caráter excepcional, a prisão domiciliar. Concede-se a ordem de ofício para garantir ao agravante o direito de aguardar em prisão domiciliar o surgimento de local adequado para prisão especial, ou cela distinta dos presos comuns, no próprio estabelecimento prisional ou em outro equivalente”, finaliza a decisão do ministro do STJ.

ENTENDA

O farmacêutico é acusado de encomendar a morte do advogado Danilo Sandes por ele ter se recusado a fraudar um processo de inventário referente a uma herança avaliada em R$ 7 milhões.

Ele foi assassinado em 25 de julho de 2017, com dois tiros na nuca, e o corpo foi encontrado quatro dias depois, próximo à TO-222, sentido Babaçulândia, a 15 km de Araguaína.

Quase um mês após o crime, o farmacêutico foi preso na cidade de Marabá (PA) juntamente com dois policiais militares do Pará e um ex-PM que teriam executado o crime.

Conforme a denúncia do MPE, Robson contratou o grupo de extermínio pelo valor de R$ 40 mil.

No decorrer do processo, o suspeito Rony Macedo Alves Paiva foi absolvido por não haver provas suficientes contra ele e teve a prisão revogada. Já o ex-PM Wanderson Silva de Sousa e o militar João Oliveira Santos Júnior estão presos em Palmas e vão a júri popular.

O farmacêutico ainda responde por posse ilegal de arma de fogo de uso permitido e restrito. A Polícia Civil encontrou um arsenal na residência dele em Marabá durante cumprimento de mandado de busca e apreensão, no dia 28 de agosto de 2017. 

Danilo Sandes foi executado com dois tiros na nuca

Comentários (0)

Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

(63) 3415-2769
Copyright © 2011 - 2019 AF Notícias. Todos os direitos reservados.